Combustível

Veja como funciona a política de preço da Petrobras

Entenda todo o processo e porque ainda importamos petróleo!

De quem é a culpa do combustível estar tão caro

Nos ainda importamos petróleo? Sim, mas entenda por quê!

Nós exportamos bastante petróleo, isso realmente é verdade, porém dependendo de onde o petróleo está sendo extraído ele muda suas características. Nosso petróleo costuma ser mais denso e pesado e por esse motivo, precisamos importar petróleo mais leve para que ao misturarmos com os petróleos daqui, este fique também mais leve e isso favorece o processo de refino do petróleo, ou seja, fica mais barato refinar.

Se ao contrário, não importássemos o petróleo de fora, ficaria bem mais caro refinarmos o nosso denso petróleo sem misturá-lo e consequentemente, o preço do combustível seria mais caro ainda. Por esse motivo é que dizemos que não somos autossuficientes em Petróleo. Mas será que isso poderia ser diferente?

O que mais influencia os preços do petróleo?

O que mais influencia os preços do petróleo é o a cotação do dólar e o preço do barril, ou seja, o dólar está caro quando o risco fiscal do país é alto, quando se tem muita dívida e o país não sabe como pagar. 

Desta forma o dólar fica mais alto e o petróleo fica mais caro. Já o barril é influenciado pela lei da oferta e da demanda, o que faz com que ele flutue de preço.

Até 2016 os preços da Petrobras eram controlados através de uma expressão conhecida hoje como “a canetada”, ou seja, quando dava prejuízo o governo pegava dinheiro do tesouro nacional para subsidiar, então havia esse problema que de uma forma ou de outra, o controle estava sendo artificial.

No mesmo ano a política de preço passou por uma nova forma de controle, conhecida como “PPI” Política Internacional de Paridade de Preço, ou seja, nós pagamos mais caro porque a Petrobras paga mais caro para comprar também.

É importante frisarmos que mais da metade das ações pertencem ao governo e uma parte menor para investidores brasileiros e outra parte maior para investidores estrangeiros.

Desta forma, o governo federal é o sócio majoritário da Petrobras, ou seja, ele ainda manda na estatal e boa parte do lucro vai para o próprio governo. Cerca de 50,5% das ações pertencem ao governo Federal.

Em virtude dos subsídios do governo na época de 2013 a 2017 houve um maior endividamento da estatal, porque não se permitia aumentar os preços de acordo com o mercado internacional.

Independentemente se deve ou não ser subsidiado o petróleo, existem algumas perguntas que merecem respostas mais claras por parte do governo Federal, são elas:

  1. Porque o petróleo do Pré-sal, que é mais leve e se aproxima mais do que compramos lá fora, não é utilizado para misturar no petróleo mais denso que também extraímos?
  1. Se utilizássemos o petróleo do pré-sal, mesmo assim precisaríamos importar petróleo para efetuarmos um “blend” ou uma mistura mais leve? Se temos aqui por que ainda importamos?
  2. Porque o Brasil não investe o lucro obtido nas modernizações de nossas refinarias para aumentarmos a nossa produção interna e com isso reduzirmos as importações de derivados?
  1. Se o Brasil investisse nas refinarias e no aumento da produtividade interna, passaríamos a exportar muito mais não só petróleo como derivados também, não é verdade! Então porque não fazemos isso?
  1. Porque não temos uma política interna para o consumo dos brasileiros e uma externa para venda de petróleo e derivados?

Acreditamos que essas respostas existem, mas por escolhas erradas ou vaidade política, não querem respondê-las aos brasileiros!

Imaginem quantos empregos seriam criados! Quanta tecnologia atrairíamos! Quantas riquezas geraríamos! Existiria uma forma real de combatermos a inflação com a redução dos valores dos combustíveis!

Os serviços de fretes seriam muito maiores, porque a economia cresceria!

É viável sim ter uma política interna para consumo dos brasileiros, diferenciada de uma política externa para venda de parte do petróleo e derivados, porquê com o investimento nas refinarias para o aumento da produção de derivados, o lucro seria bem maior, permitindo a estatal subsidiar o mercado interno, sem perda brusca de seu lucro!

O Brasil tem a “faca” e o “queijo” na mão, porém é provável que outros interesses não deixem essa prosperidade se tornar realidade para o povo!

Então, você caminhoneiro! O que acha ser melhor para o Brasil?

Deixe aqui a sua opinião!

Redação – Brasil do Trecho

Esta postagem foi publicada em 20 de junho de 2022 11:43

Compartilhar
João Neto

Sou apaixonado pelo empreendedorismo, caminhão e ônibus e Hoje me dedico 100% aos amigos caminhoneiros com noticias e dicas da estrada.

Deixe um comentário

Postagens recentes

Vídeo mostra escavações sendo realizadas de forma inacreditável

Difícil de acreditar quando percebemos algumas situações de escavações sendo feitas de forma negligente, com…

4 horas atrás

Caminhoneiro faz piada e acaba sendo morto

Após uma brincadeira do caminhoneiro, o eletricista tomou uma atitude errada e completamente equivocada

4 horas atrás

Caminhoneiro na Argentina manda recado para o Presidente Bolsonaro

Caminhoneiro argentino grava um depoimento e envia recado para Bolsonaro e para os Brasileiros, para…

4 horas atrás

Como foi feito o comercial da Volvo com o ator Jean-Claude Van Damme

Esse incrível comercial da Volvo que gerou uma série de vários outros, teve inicialmente o…

4 horas atrás

Raízen personaliza caminhão Volvo FMX com grafismo e as cores LGBTia+

A pretensão da Raízen, que é uma empresa integrada de energia e referência em biocombustíveis,…

5 horas atrás

Caminhoneiro entra dentro de enchente e o pior acontece

Caminhão provocou uma forte onda de água.

12 horas atrás