Combustível

Complexo petroquímico no RJ já consumiu R$ 40 bilhões e nunca produziu um barril de petróleo

Um gigantesco investimento com dinheiro público foi deixado para trás.

Apesar da grande quantia já gasta, o complexo nunca conseguiu produzir nada

O complexo petroquímico do RJ é considerado o maior projeto da história da estatal lançado em 2006, no governo Lula – PT, mas até hoje não produziu nada.

A obra está parada há seis anos e deixou dívidas aos moradores que acreditaram que o projeto iria mudar a vida deles.

O Comperj – Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro é considerado um dos maiores complexos petroquímicos do mundo, mas não pode ser concluído.

A obra bilionária teria impactos positivos na economia da região e em todo o estado do RJ. O Comperj ampliaria a capacidade de refino de petróleo da companhia, ou seja, 150 mil barris por dia. As atividades desenvolvidas lá atrairiam dezenas de empresas envolvidas no setor.

Projeções fantásticas e ambiciosas, como a geração de 200 mil empregos diretos e a estimativa que a população da cidade mudasse de 218 mil para 1 milhão de habitantes, ou seja, cinco vezes mais.

Com a operação Lava Jato em 2014 que descobriu superfaturamentos, os custos ficaram inviáveis, provocando a fuga de investidores e a dívida da estatal aumentou e ela também foi obrigada a reduzir os investimentos.

Assim que o Comperj fechou as portas, a cidade de Itaboraí perdeu fôlego. O mercado imobiliário foi drasticamente afetado. Mais de quinze anos depois, esqueletos de concreto são a nova paisagem da cidade e os prédios que ficaram prontos estão vazios.

O município ganhou 2 mil novos apartamentos e 8 mil salas comerciais, a maioria desocupada, tendo uma arquitetura moderna para atrair executivos e investidores, empreendimentos projetados para receber os empresários.

A previsão da Petrobras era gastar 8,4 bilhões de dólares o equivalente hoje a 45 bilhões de reais para fazer o Comperj, mas custou quase o dobro, 75 bilhões de reais, sem nunca conseguir produzir.

Para os especialistas, as refinarias poderiam reduzir os custos dos combustíveis no país, diminuindo a dependência em relação ao mercado internacional. 

O governo atual pretende utilizar as instalações do Comperj para processar gás natural extraídos da Bacia de Campos, mas por enquanto, apenas protocolos de intenções foram assinados.

Assista ao vídeo e tire suas próprias conclusões!

Redação – Brasil do Trecho

Esta postagem foi publicada em 7 de junho de 2022 15:09

Compartilhar
João Neto

Sou apaixonado pelo empreendedorismo, caminhão e ônibus e Hoje me dedico 100% aos amigos caminhoneiros com noticias e dicas da estrada.

Deixe um comentário

Postagens recentes

Com a redução do ICMS o preço da gasolina tem baixas nos postos de combustíveis

Governador do RJ comenta que haverá fiscalização e que postos poderão ser multados se recusarem…

4 horas atrás

Mercedes “Terezona” de 1924 a 1934

Essa linha de caminhões ficou conhecida como Terezona, em que a cabine era muito quente…

4 horas atrás

Mais de 50 caminhões são recuperados pela polícia em operação contra roubo de cargas

Mais uma ação bem sucedida da Polícia Civil e da Polícia Rodoviária Federal, desarticulando organização…

5 horas atrás

Modelo de caminhão D – 11000 o maior sucesso da FNM

Você sabia que a FNM chegou a produzir motores de avião, geladeiras, compressores, tampinhas de…

7 horas atrás

Veja como cadastrar o auxílio caminhoneiro e quem tem direito

Nesta quinta (30) a PEC – Proposta de Emenda à Constituição que prevê o aumento…

7 horas atrás

Caminhoneiro sobrevive ileso a acidente por milagre

A imagem é assustadora, mas, o motorista sobreviveu Já viu aquela frase, "nasceu de novo"?…

10 horas atrás