Projeto da BR do Mar é aprovado na Câmara

Câmara aprova projeto da “BR do Mar”, de incentivo ao transporte de cargas entre portos

Os parlamentares ainda analisam destaques, que são pedidos pontuais de mudanças no texto aprovado. Depois, o projeto segue para análise do Senado. Ela é uma das prioridades do governo, em especial do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, para destravar investimentos privados.

O texto foi à votação na Câmara após uma longa sessão marcada por obstruções. A oposição dificulta o rito normal de apreciação da pauta porque quer votar primeiro a medida provisória que prorroga o auxílio emergencial até o fim do ano, mas em valor menor (R$ 300), para retomar o valor inicial, de R$ 600. O governo é contra.

O projeto da BR do Mar estava tramitando em caráter de urgência, a pedido do governo. Com isso, o texto pôde ser levado para votação direto em plenário, sem passar pelas comissões. No fim de setembro, o prazo regimental para apreciar a matéria acabou e o texto passou a trancar a pauta de projetos de lei da Casa.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), outros deputados e associações ligadas ao setor portuário queriam que o governo retirasse a urgência. Eles defendiam votar o texto com mais calma, em 2021. Mas o líder do governo na Casa, deputado Ricardo Barros (PP-PR), conseguiu costurar um acordo para aprovar o projeto, sob protestos de parlamentares contrários.

“Podemos estar aqui votando a formação de um monopólio internacional que pode acabar com a cabotagem e o frete nacional”, alertou o deputado Mário Negromonte Jr. (PP-BA). “Estão falando de baratear o frete, mas vamos ficar na mão de duas ou três empresas”, alertou o deputado Fausto Pinato (PP-SP). “Os navios que o ministro diz que vão para o Brasil já estão aqui há anos. Vão esmagar o transporte terrestre em tempo de pandemia. Vão esmagar a categoria dos caminhoneiros”, declarou.

O relator do projeto, deputado Gurgel (PSL-RJ), ponderou que a cabotagem não concorre com o transporte rodoviário, mas atua de modo complementar. Segundo o relator, o projeto deve provocar a redução de custos de transporte, aumentar a eficiência logística e melhor a conectividade.

“O projeto da BR do Mar traz inúmeras vantagens”, disse a deputada Bia Kicis (PSL-DF), citando que o texto proporcionará investimentos e modernização da navegação de cabotagem no país. “A proposta é urgente, incentivará a concorrência e ampliará em 40% a capacidade da frota de cabotagem nos próximos anos”, concordou a deputada Dra. Soraya Manato (PSL-ES).

Dez destaques foram rejeitados na na sessão de segunda-feira. O destaque que retomava a redação original do projeto sobre regras para embarcações estrangeiras afretadas foi aprovado, com apoio do governo. Os deputados restauraram o trecho que possibilita que esses navios sejam identificados como embarcações brasileiras para bloqueio em “circularização”.

Também com o endosso do Executivo, foi aprovada emenda para incluir obrigações de atividade de custeio de dragagem por meio da arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante.

“BR do Mar” é prioridade do governo para reduzir dependência das rodovias


O projeto estabelece um marco legal para cabotagem no país. O objetivo, diz o governo, é aumentar a oferta da cabotagem no Brasil, incentivar a concorrência, criar novas rotas e reduzir custos. Hoje o transporte aquaviário responde por apenas 11% do total de cargas movimentadas no Brasil, enquanto o rodoviário domina 65% do total.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, o projeto tem potencial para destravar investimentos no setor e para atingir as metas de ampliação da cabotagem. A meta é passar de 1,2 milhão de TEUs (unidade equivalente a 20 pés) de contêineres transportados por ano por meio de cabotagem para 2 milhões de TEUs até 2022. Também está entre os objetivos ampliar em 40% a capacidade da frota marítima dedicada à cabotagem nos próximos três anos.

O governo que incentivar a cabotagem porque esse modal é considerado ideal para o transporte de grandes cargas por grandes distâncias, na comparação com os modais ferroviário e rodoviário. A cabotagem tem baixo custo na comparação com o transporte ferroviário e consome menos recursos energéticos, além de demandar menos intervenção ambiental e tem menor número de acidentes. Além disso, o Brasil tem 7,4 mil quilômetros de litoral, dimensão propícia para a cabotagem.

Fonte: Gazeta do Povo

Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Postagens recentes

PRF flagra nota de 35 mil litros de cachaça em nome de transportadora desativada

O caminhão foi abordado em uma fiscalização de rotina Um caminhão com uma carga de…

20 horas atrás

CNTRC envia proposta de redução de 45% na gasolina e 27% no diesel

O documento foi enviado para o Bolsonaro e Petrobrás O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário…

20 horas atrás

Caminhoneiros brasileiros podem entrar na Argentina

A categoria vem alegando falta de segurança no trabalho A cidade argentina de Paso de…

20 horas atrás

Renault utiliza de jogos para lançar seus novos caminhões

O seu mais novo caminhão foi apresentado através do Euro Truck Simulator 2 A Renault…

20 horas atrás

Volvo acredita que é o momento certo para aumento de caminhões elétricos

Com o início das vendas neste ano de três novos modelos totalmente elétricos Essa perspectiva…

20 horas atrás

Polícia Flagra transporte de caminhão roubado na BR-352

O condutor tentou enganar os polícias portando um documento falso A Polícia Militar Rodoviária prendeu…

20 horas atrás

Este site usa cookies.

consulte Mais informação