Conheça os pontos críticos da BR-381 onde ocorreu desastre com ônibus

Publicidade

João Monlevade e Nova Era, o que tem a maior quantidade de curvas acentuadas e um dos mais arriscados

Apesar de estar listado como um dos quatro trechos mais críticos da BR-381 (Norte), a “Rodovia da Morte”, o segmento entre Nova Era e João Monlevade só tem promessa de receber obras de duplicação, correção de traçado, pontes e melhorias de segurança a partir de 2023. Essa foi a última estimativa divulgada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). O trecho de curvas fortes, aclives e declives que exigem muito do desempenho dos veículos é justamente onde 18 pessoas morreram e 23 ficaram feridas depois de acidente com ônibus de viagem irregular, transportando passageiros de Alagoas para São Paulo. O veículo supostamente teve problemas mecânicos e voltou de ré, passando por cima da defesa da chamada Ponte Torta e despencando sobre a Estrada Férrea Vitória- Minas, de uma altura de 35,5 metros.

A urgência de obras naquele trecho consta até mesmo de um estudo feito pelo Instituto de Geociências (IGC) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e que orientou vários pareceres nas audiências públicas que antecederam o início das obras de duplicação da rodovia, em 2014. O levantamento definiu quatro segmentos críticos, três deles entre Belo Horizonte e João Monlevade, onde a estrada concentrava mais de 200 curvas em 110 quilômetros. Neste ano, o trecho já concentra 152 mortes em 133 acidentes, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os três piores são o segmento em Nova União, do Km 428 ao 458; da MG-434, no trevo de Itabira, a Nova União; e de João Monlevade a São Gonçalo do Rio Abaixo. O quarto pior é justamente entre João Monlevade e Nova Era, onde o ônibus se acidentou na sexta-feira.

O estudo descreve o trecho de 16 quilômetros entre as duas cidades como excessivamente sinuoso, por concentrar 28 curvas consideradas acentuadas, uma a cada 1.750 metros. “Considerando a extensão total desse trecho e o grande número de curvas que são acentuadas, proporcionalmente aos demais se trata do detentor de mais curvas acentuadas”, indica o trabalho sobre pontos críticos.

Os 16 quilômetros se situam inteiramente no Planalto Dissecado dos rios Piracicaba e Santo Antônio, se aproximando do curso do Rio Piracicaba. “Esse trecho percorre uma sequência de colinas bem orientadas, que atravessa o característico relevo de “mares de morros”, com drenagem densa e encaixada, apresentando em diversos pontos vertentes ravinadas e com tendência à erosão agravada pelas atividades antrópicas (humanas). A rodovia alterna entre topos e fundos de vales nesse trecho, contornando diversas encostas, o que confere à região a quantidade de curvas mencionadas anteriormente”, aponta o levantamento do IGC.

Velocidade

A alta velocidade dentro de trechos que exigem um bom desempenho do motorista e do veículo, ao lado de falhas do condutor são as causas mais frequentes de acidentes na BR-381 desde 2015, segundo a PRF. A velocidade incompatível responde por 28%, seguida pela falta de atenção do condutor, com 22%. As colisões traseiras são o acidente mais registrado, chegando a 17% e em muito explicadas também pelos inúmeros pontos de parada e redução de velocidade devido às obras espalhadas pela estrada. Em seguida, vêm as saídas de pistas, com 14%, colisões com objetos estáticos, que representaram 10%, e os capotamentos, também com 10%.

Até o momento, dos 11 trechos divididos em lotes de duplicação da BR-381 (Norte), apenas dois ficaram prontos, relativos a dois túneis que não estão em uso. Dos demais 303 quilômetros entre Belo Horizonte e Governador Valadares, apenas 61 foram entregues desde 2014, quando foi assinada a ordem de serviço das obras. O montante representa 20% do total da obra, sendo que somente os lotes 3 (Jaguaraçu a Ribeirão Prainha) e o 7 (Rio Una a Caeté) estão em andamento. Os demais estão em negociação com empresas que ficaram em segundo lugar nas licitações abandonadas e demais acertos.

Uma das soluções pode ser o projeto de concessão das BRs 381/262 (MG/ES), enviado ao Tribunal de Contas da União (TCU) pelo Ministério da Infraestrutura. Uma concessão de 686,1 quilômetros por 30 anos com leilão previsto para o ano que vem. Prevê investimentos de R$ 7,7 bilhões e custos de operação de cerca de R$ 6,9 bilhões para os serviços de infraestrutura e recuperação, conservação, manutenção, operação, implantação de melhorias e ampliação de capacidade do sistema rodoviário. Entre as principais obras estão 590 quilômetros de duplicação, 138 de faixas adicionais, 131 de vias marginais, 50 passarelas e 108 paradas de ônibus. (MP)

Segmentos de risco

Conheça os quatro trechos mais perigosos da Rodovia da Morte

  • 1º – Nova União (Km 428 ao Km 458) – Até Caeté é considerado o trecho mais sinuoso, com variações de curvas muito fortes e outras de geometria aceitável
  • 2º – Itabira (trevo da MG-434 a Nova União) – Segmento mais íngreme, com desníveis de 350 metros, que são desafio com o tráfego pesado
  • 3º – João Monlevade a São Gonçalo do Rio Abaixo – Traçado apresenta muitas curvas, com objetivo de contornar as vertentes, algumas vezes íngremes, outras suaves e extensas. Muitas curvas foram traçadas para evitar descidas muito bruscas
  • 4º – João Monlevade a Nova Era – Segmento com maior quantidade de curvas acentuadas (28 em 16 quilômetros), não duplicado e sem obras

Fonte: EM

Publicidade
Categorias NOTICIASÔNIBUS
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Postagens recentes

Caminhoneiros autônomos acreditam que momento não é para greve

A confederação acredita que o diálogo com o governo é fundamental A Confederação dos Transportadores Autônomos (CNTA) emitiu uma nota…

19 minutos atrás

CNTA emitiu nota oficial se posicionando contra greve  dos caminhoneiros

Confederação acredita que uma paralisação só aumentaria uma aglomeração e o risco de contaminação A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos…

19 minutos atrás

Chorão afirma que até final da semana greve será definida

 Wallace Landim vai viajar em alguns estados para ouvir a categoria O presidente chorão da Associação Brasileira de Condutores de…

19 minutos atrás

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação