Publicidade

Finalmente foi concluída a restauração de 52 quilômetros na BR-317

Publicidade

De acordo com o Dnit, serviços consumiram R$ 80 milhões


Finalmente foi concluída a restauração de 52 quilômetros não continuados, em 12 segmentos mais críticos da rodovia BR-317, no Estado do Acre. O primeiro fica no Km 186 e o último no Km 333,80, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Ainda de acordo com o Dnit, as obras – iniciadas em junho de 2019 – consumiram R$ 80 milhões e restauraram 23 quilômetros em 2020. No ano passado, foram restaurados 29 quilômetros.

Segundo o Dnit, a obra concluída melhora as condições de tráfego na região do Alto Acre, no sudoeste do Estado. Assim, os municípios de Capixaba, de Epitaciolândia e de Brasileia são diretamente beneficiados pelos serviços. As cidades de Senador Guiomard, de Xapuri e de Assis Brasil também comemoram a ação do governo federal.

Desde a sua implantação, no fim dos anos 90, a BR-317 nunca tinha recebido uma intervenção deste tamanho, com refazimento de duas camadas estruturais do pavimento (sub-base e base), além da aplicação de duplo revestimento, com o Tratamento Superficial Duplo (TSD) e o asfalto – Concreto Betuminoso Usinado à Quente (CBUQ).

Inicialmente, o pavimento é entregue com revestimento em TSD e, após a liberação ao tráfego por um período determinado, é aplicado o CBUQ, concluindo, assim, o processo de restauração. A rodcovia está hoje com aproximadamente 15 quilômetros no CBUQ e 37 no TSD, tudo com sinalização horizontal.

Importância


A BR-317 se inicia na divisa do Estado do Acre com o Amazonas e vai até a divisa do Brasil com o Peru, nas cidades de Assis Brasil (Brasil) e Iñapari (Peru), com 407,90 km de extensão.

Do ponto de vista Estadual, a pista interliga a região do Alto e do Baixo Acre, sendo uma importante via de integração do Estado, contribuindo para o transporte de passageiros e de mercadorias. Já do ponto de vista Regional e Nacional, a rodovia federal é conhecida como Estrada Interoceânica, pois foi a ligação final da rota que conecta os oceanos Atlântico (Brasil) e Pacífico (Peru).

Com relação ao turismo, a BR-317 cumpre função importante para visitantes que pretendem conhecer a Amazônia e os Andes, além das cidades de Cuzco e de Machu Picchu, no Peru.

A obra realizada pelo Dnit traz também um incremento no agronegócio, sendo visível o aumento de área plantada. Antes, a atividade econômica predominante na região era a pecuária.

Fonte: Estradas

Publicidade
Categorias caminhão
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação