Publicidade

DER do Paraná emite Nota diz que não foi oficiado sobre a redução de pedágio

Publicidade

De acordo com a Nota Técnica emitida, nesta segunda-feira (16), Departamento aguarda da Agepar a regulamentação sobre o novo procedimento adequado para fins de reequilíbrio dos contratos de concessão rodoviária


Depis da publicação da matéria publicada pelo Estradas, na quinta-feira (12), sobre a decisão da Agência Reguladora do Paraná (Agepar), que decidiu que as concessionárias Ecocataratas e Ecovia reduzam suas tarifas de pedágio para compensar erros de cálculo em reajustes realizados entre os anos de 2016 e 2017, o Departamento de Estradas de Rogagem do Paraná (DER-PR), emitiu uma Nota Técnica , nesta segunda-feira (16), dizendo que, ainda, não foi oficiado. Veja a íntegra do comunicado:

“O Departamento de Estradas de Rodagens do Estado do Paraná (DER/PR), na qualidade de Poder Concedente nos contratos de concessão rodoviários, vem a público esclarecer que, em relação à notícia divulgada nos veículos de imprensa, referente a deliberação da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (AGEPAR), no que concerne as tarifas das concessionárias ECOVIA e ECOCATARATAS, até o presente momento não foi oficiado pela AGEPAR acerca da decisão deliberada pelo Conselho Diretor da AGEPAR, em 10 de novembro de 2020.

Desse modo, o DER/PR aguarda, por parte da AGEPAR, a regulamentação sobre o novo procedimento adequado para fins de reequilíbrio dos contratos de concessão rodoviária, para posterior manifestação desta Autarquia, no que se refere ao noticiado, conforme orientação da Procuradoria-Geral do Estado do Paraná e conforme Oficio já encaminhado pelo DER/PR à AGEPAR, além da comunicação oficial sobre a deliberação tomada pelo seu Conselho Diretor.

Na oportunidade, o DER reforça seu comprometimento com os usuários, em homenagem ao interesse público envolvido, a fim de garantir a modicidade tarifária.”

Fonte: Estradas

Publicidade
Categorias derESTRADAS
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação