Publicidade

Transportadora testa biogás derivado de esterco de vaca para abastecer sua frota

Publicidade

Transportadora testa biogás, a grande cooperativa de laticínios Arla está transformando estrume de vaca em combustível adequado para veículos em um novo teste importante.

A iniciativa da Arla fará com que os agricultores enviem os resíduos de suas vacas para uma planta de digestão anaeróbica (AD) próxima, onde serão decompostos em biometano limpo e convertidos em combustível.

O teste torna a Arla a primeira empresa do Reino Unido a usar os resíduos de suas fazendas para gerar energia para sua frota, de acordo com a empresa. O processo também criará fertilizantes ricos em nutrientes que podem ser usados ​​nas fazendas da Arla, tornando-o um processo de ciclo fechado.

O teste de três meses envolverá dois petroleiros Arla especiais que foram adaptados para funcionar com biocombustíveis, transportando leite entre locais de processamento de laticínios. Juntos, os caminhões devem percorrer aproximadamente 90.000 quilômetros e ajudar a reduzir o impacto de carbono da empresa em 80 toneladas – o equivalente a 23 viagens de carro em todo o mundo.

A Arla usará estrume de 500 vacas – cerca de 190 toneladas de chorume por semana – para criar 27.000 kg de biogás para alimentar os veículos de teste.

“Muitos de nós reconhecemos o quão valioso é o leite de vaca, mas muitos não sabem que o estrume é tão importante”, disse Ian Barker, um agricultor da Arla envolvido no teste.

“Processar estrume de vaca dessa maneira nos fornece uma fonte ilimitada de energia, mais o digerido, ou matéria sólida, que sobra após o processo torna um fertilizante ainda mais rico para meus campos, portanto, ganha-ganha.”

Graham Wilkinson, diretor de agricultura da Arla, acrescentou: “Usar estrume de nossas fazendas está nos ajudando a reduzir nossos resíduos e depender menos de combustíveis fósseis que poluem o ar, portanto, é um acéfalo para nós.

“Com a ajuda de nossos agricultores e parceiros, temos um ciclo totalmente fechado, que, em escala, pode ser revolucionário para ajudar a alimentar um futuro mais verde.”

Publicidade
Categorias caminhãoNOTICIAS
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação