Publicidade

Principal via de ligação entre Londrina e o Porto de Paranaguá deve tornar em uma rodovia pedagiada

Publicidade


O governo de Ratinho Junior pode transformar a PR-445, principal via de ligação entre Londrina e o Porto de Paranaguá, em uma rodovia pedagiada.

Principal via de ligação entre Londrina e o Porto de Paranaguá deve ter uma nova praça de pedágio é considerada entre o trecho de Irerê, na Zona Sul de Londrina, e o município Mauá da Serra, no Vale do Ivaí.

Teve o assunto que foi comentado na segunda-feira (5) durante audiência da Frente Parlamentar da Assembleia Legislativa. O deputado Tercílio Turini, do Cidadania, participou da audiência e rechaçou a proposta. “É uma ideia absurda, a população de Londrina não vai aceitar pagar a conta outra vez”, disse.

A inclusão da PR-445 entre as novas rodovias pedagiadas do Paraná está nos planos do governo federal, com a participação do governo estadual (a PR-445 é estadual). O local exato da nova praça de pedágio não está definido, mas a maior possibilidade é de que ela ficasse no trecho ainda no território de Londrina, logo depois de Irerê.

Para Tercílio Turini, isso prejudicaria os moradores dos distritos de Londrina e de outras localidades, como Tamarana. “Isso é uma loucura. Como ficam as pessoas que moram em Tamarana ou nos distritos, quando precisarem se deslocar a Londrina?”, questionou.

Cinco pedágios até a capital


O deputado ainda falou dos prejuízos à economia que uma nova praça de pedágio causaria ao Norte do Paraná. Ele lembra que até Curitiba são cinco pedágios, e até Paranaguá, onde está o porto, são seis praças. “Cria obstáculos para o desenvolvimento de Londrina, porque é para o lado Sul do Paraná que estão as maiores áreas de expansão econômica”, disse.

Turini foi indicado como coordenador das discussões de novos contratos na Frente Parlamentar do Pedágio na Assembleia Legislativa do Paraná.

Fonte: Estradas

Publicidade
Categorias governo
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação