Publicidade

Frete rodoviário entre Mato Grosso e o porto tiveram redução de até 11%

Publicidade

Conab detecta redução de até 11% no frete aos portos do Arco Norte

Os custos do frete rodoviário entre Mato Grosso e o porto de Miritituba, no Pará, tiveram redução de até 11%. É o que mostra o Boletim Logístico produzido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado no site da estatal. De acordo com o estudo, a queda é reflexo do fim das obras de pavimentação da BR-163, e representa um estímulo ao escoamento por esse corredor. A melhoria refletiu nas exportações de Mato Grosso e permitiu um aumento percentual significativo em 2020 em relação aos portos tradicionais de Santos/SP e Paranaguá/PR.

“O crescimento da participação dos portos no Arco Norte é uma realidade. Essas rotas não podem mais ser tratadas como alternativas, mas como solução para o escoamento da crescente produção agrícola do Brasil”, afirma o superintendente de Logística Operacional da Conab, Thomé Guth.

Segundo Guth, o menor custo dos fretes, a partir das melhorias na infraestrutura, influencia diretamente no aumento de embarques dos produtos agrícolas, principalmente milho e soja, pelos portos do Arco Norte. “Enquanto os produtores do cereal e da oleaginosa em Mato Grosso observavam preços de escoamento menores em setembro para os portos de Santarém/PA, Porto Velho/RO e Itaqui/MA, além de Miritibuna, o trajeto para o porto de Santos teve acréscimo de 3%, quando comparado com os valores praticados no mesmo mês do ano passado”.

Cenário atual de preços – Com o período da entressafra em Mato Grosso, as cotações de frete começaram a cair em setembro no estado do Centro-Oeste. No entanto, mesmo com a queda apresentada, os valores encontram-se em patamares mais elevados que no ano anterior em determinadas rotas. Esse arrefecimento controlado deve-se à movimentação ainda existente para o escoamento de milho e soja no estado.

Fonte: Noticias Agrícolas

Publicidade
Categorias caminhãofrete
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação