Publicidade

Estudo aponta aumento de 36% de autuação por fiscalização eletrônica

Publicidade

Autuações por fiscalização eletrônica de semáforos têm aumento de 36%

A Avenida Colombo em Maringá voltou a ser monitorada por equipamentos fixos em agosto deste ano. Foram instalados radares de velocidade e câmeras de fiscalização eletrônica nos semáforos.

Os avanços de sinal começaram a funcionar em 20 de agosto. Esta semana, a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) publicou no portal da Semob os dados de setembro.

Durante o mês passado foram aplicadas em toda a cidade 9.347 autuações por avanço de sinal. Um aumento de 36% em relação a agosto, quando foram 6.855 autuações.

Segundo a Semob, o aumento é reflexo dos equipamentos instalados na Avenida Colombo. As câmeras que registram avanço de sinal foram instaladas em sete cruzamentos, considerados os mais críticos ao longo da avenida.

A instalação foi uma parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que continua fiscalizando a rodovia com equipamentos móveis. O inspetor da PRF, Pedro Faria, diz que o objetivo é reduzir acidentes. E já houve uma redução de 70%.

“Inicialmente, nós temos, estatisticamente, dados positivos […]. Nós consideramos que a avenida Colombo, aqui no quilômetro 170, ali na região daquele viaduto, quem vem de Mandaguaçu à Maringá, e aqui na divisa de Sarandi, quilômetro 182 […]. Nós temos um reflexo inicialmente positivo, principalmente após a instalação dos equipamentos eletrônicos, […] aqueles que eventualmente excedam a velocidade têm que ficar atentos, porque estamos com vários equipamentos na avenida Colombo. Nós tivemos uma estatística inicial que apontou uma redução de 70% no número de registros de acidentes. Ainda temos acidentes ainda, mas estamos no caminho porque o caminho principal é a redução dos acidentes, a redução das vítimas e, consequentemente, a preservação da vida”, detalha Faria.

Fonte: GMC Online

Publicidade
Categorias caminhão
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação