Publicidade

Conheça a história do Romeu e Julieta no Brasil

Publicidade

Conheça a história do popular conjunto chamado de Romeu e Julieta e inicialmente, se você estiver achando que esse conjunto ganhou esse nome com relação a obra de Shakespeare. Tenha certeza de que esse conjunto ganhou esse nome com relação a Obra Romeu e Julieta.

Já no caso o caminhão o Romeu e o reboque é chamado de Julieta, consequentemente o caminhão e o reboque formam um casal e sendo que onde o Romeu estava a Julieta estava atrás.

Quando surgiu o conjunto Romeu e Julieta

Essa configuração é bastante antiga no Brasil, antes mesmo de surgir o Bitrem ou Rodotrem já era utilizado a junção do Romeu e Julieta. Que estar presente em estradas brasileiras desde o fim da década de 40, porém, já se utilizava essa configuração há pelo menos 2 ou 3 décadas atrás.

Sobretudo há registro dessa configuração na Alemanha de um FAUN L900 que já na época era composto por duas Julietas. A imagem foi registrada no ano de 1937 mostrando que nesse ano já utilizavam a configuração de Romeu e Julieta.

Dessa maneira, um dos primeiros registros no Brasil foi por volta da década de 50, comprovando então, como essa modalidade de transporte é utilizada a bastante tempo. Portanto a Transportadora Americana foi pioneira na operação desse seguimento de transporte de cargas.

Em qual segmento era destinado à sua operação?

Nessa época a conjunção dessa configuração era através de caminhões importados e pelo famoso Fenemê. No entanto a sua operação era destinada a transporte de cargas especificas, para combustível, madeira e por fim de cana-de-açúcar.  

Na época existia os modelos que eram importados e os modelos confeccionado por intermédio de oficina mecânica. E curiosamente o modelo foi apelidado de Jamanta no início da sua operação e posteriormente virou o famoso Romeu e Julieta. Dessa maneira, a configuração só foi se consolidando por volta da década de 70, embora que o seu custo para as transportadoras fosse ainda reduzido.

Entenda as vantagens e desvantagens do Romeu e Julieta

Em primeiro lugar eram as péssimas condições de pavimentação das rodovias para operação do Romeu e Julieta. Outro fator com um peso grande é a capacidade de carga limite imposta pela lei da balança, permitindo apenas 40 toneladas de PBTC.

A operação desse conjunto não é uma tarefa fácil, ou seja, as transportadoras geralmente têm dificuldade de encontrar profissionais qualificados na operação desse conjunto. Visando as manobras com um certo grau de dificuldade e principalmente em marcha ré tornando mais complicado ainda de realizar. Infelizmente são poucos locais que disponibilizam de uma estrutura adequada para receber esses caminhões.

Para demonstrar o lado positivo dessa configuração a Transportadora Rodotrigre, apresentou que a sua operação tem como a viabilidade grande econômica de pneu, chegando até 30%. Essa configuração também é possível reduzir o consumo de combustível dos caminhões, dessa forma, ajudando a econômica da transportadora.

Quando o conjunto Romeu e Julieta ganhou força

Logo após o fim da década de 70 essa configuração embalou e começou a ganhar força no mercado brasileiro de transporte. Relacionada a adição de 5 toneladas e passando para 45 toneladas de PBTC permitido por lei.

E nessa mesma época uma montadora de implemento firmou uma parceira a montadora Volvo, para estimular o uso em massa do conjunto no início da década de 80. Então nesse período foi como se o conjunto tivesse sido lançado novamente e ganhando um forte crescimento no mercado.

A partir desse aumento a configuração Romeu e Julieta pode a participar de outros segmentos dentro do transporte de cargas. Como por exemplo para encomendas, grãos e cargas em geral em resumo a variedade da configuração aumentou. Não se limitando como antigamente a caminhão toco ou trucado com uma única Julieta preso para o transporte de combustível, madeira e cana.

Última atualização dessa configuração

Por volta de 1986 foi lançado uma Julieta que tinha aumentando a sua capacidade de transportar para 41 toneladas líquida. Na época a Julieta era composta de 7 eixo e a Transportadora Sobre-Rodas ficou responsável para realizar os devidos testes ao transporte de grão.

Assim também foi lançado uma Julieta com 8 eixos na década de 90, que na época o conjunto ficou praticamente consolidado.  E as montadoras que praticamente não exibiam as Julietas em seus catálogos agora utilizam com bastante frequência.

Publicidade
Categorias caminhãoNOTICIAS
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação