Publicidade

A ZF conta com caminhões Iveco com acionamentos a gás natural

Publicidade

A ZF e seu cliente de veículos comerciais de longa data, Iveco estão no caminho para mais proteção climática e emissões de poluentes significativamente menores

A ZF conta com caminhões Iveco e hoje, os caminhões de transporte de longa distância funcionam principalmente com óleo diesel – principalmente devido aos custos atualmente mais elevados e à baixa disponibilidade de sistemas de transmissão alternativos e sua infraestrutura. A mobilidade a gás é uma exceção. Os motores a diesel e a gás diferem muito mais em termos de emissões de poluentes do que em termos de custos: os motores de caminhão movidos a gás produzem 15% menos dióxido de carbono, 90% menos dióxido de nitrogênio e até 99% menos partículas de fuligem. E os residentes também se beneficiam das estradas, porque os caminhões movidos a líquido (GNL) ou gás natural comprimido (GNC) causam cerca de 30% menos ruído.

Razões suficientes para o grupo de tecnologia ZF e seu cliente de longa data Iveco, a subsidiária de veículos comerciais do grupo de bens de capital CNH Industrial, tomarem juntos o caminho para mais proteção ambiental e climática: No final de 2018, o projeto do caminhão a gás natural foi iniciado no nível do conselho de ambos os parceiros. No ano passado, a transportadora Lakner começou com três caminhões de GNL que atendem as rotas entre as fábricas da ZF e a fábrica de fundição de peças de transmissão da ZF em Nuremberg. A rota, na qual o provedor de serviços de logística DB Schenker usa veículos GNL desde o verão deste ano, é muito popular. Existem agora 20 caminhões a gás Iveco na estrada ao serviço da ZF logística; esse número deve dobrar até o final deste ano.

“Tornar o tráfego rodoviário livre de emissões é um objetivo fundamental de nossa estratégia de ‘Mobilidade de Próxima Geração'”, disse Wilhelm, membro do Conselho de Administração da ZF e responsável pelo gerenciamento de materiais, tecnologia de veículos comerciais e tecnologia industrial. “Queremos contribuir para isso não só com nossas tecnologias, mas também na produção e na cadeia de suprimentos. O uso de caminhões movidos a gás natural é um componente da proteção climática que nós da ZF fazemos. “

A ZF estabeleceu para si mesma a meta de se tornar neutra para o clima até 2040, o mais tardar – dez anos antes do exigido pela UE. Neutro do clima significa que a ZF aborda todas as três áreas (chamadas de escopos) do protocolo de gases de efeito estufa: Escopo 1 e 2 se relacionam às emissões da geração interna e da compra de eletricidade, Escopo 3 se relaciona às emissões de toda a cadeia de abastecimento e ao impacto ambiental dos produtos Esta última área também inclui a utilização de caminhões movidos a gás natural.

O modelo de parceria entre a ZF e a Iveco está agora desenhando círculos mais amplos: nos últimos meses, a empresa de logística Duvenbeck foi conquistada, que assumirá o transporte local de mercadorias entre as localidades da ZF em com onze caminhões de GNL. Os caminhões são equipados com motor LNG de 460 CV e sistema de transmissão ZF TraXon. A logística sustentável baseada no gás natural foi possibilitada por outro parceiro, a start-up Liquind em Berlim, que abriu um posto de abastecimento de GNL móvel, em maio de 2020, garantindo assim o abastecimento local de combustível. Desde este mês, um caminhão a GNV que faz parte da frota e também está na estrada nas instalações da ZF.

ZF e Iveco estão em contato com vários outros despachantes. Há um grande interesse, e é por isso que a ZF está otimista de que atingirá sua meta autodeterminada de 200 caminhões a gás no transporte local e de longa distância entre as fábricas da ZF até 2025 – um aumento de dez vezes nos próximos cinco anos. E: a logística baseada no gás natural pode em breve se tornar um modelo de exportação, porque os agentes de carga nos países vizinhos da UE também estão interessados ​​em se dirigir às localidades da ZF na Europa com este tipo de unidade sustentável.

Publicidade
Categorias caminhão
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação