Publicidade

PRF encontra 11 cartelas de rebite devido olhos vermelhos de condutor

Publicidade

PRF apreende comprimidos de anfetamina na BR-316

PRF encontra 11 cartelas e a primeira apreensão foi em Cachoeira do Pirciá. Ao ser abordado, o condutor apresentou olhos vermelhos e alteração de comportamento. Foi questionado se havia consumido alguma droga ilícita e confirmou o uso de três comprimidos de anfetamina do tipo nobésio extra-forte. No interior do veículo, foram encontrados 7 comprimidos. Ele informou ter ganhado de um amigo, num posto de combustível, no município de Santa Inês (MA). Foi verificado, pelo disco de cronotacógrafo, que o caminhoneiro estava dirigindo por mais de 30 horas, apenas com pequenas paradas.

Em Castanhal, nordeste paraense, os agentes da PRF abordaram um caminhão que estava a caminho de Ourém, também no Pará. O condutor, ao ser indagado sobre o uso de substancias ilícitas, afirmou estar em posse de uma cartela de 15 unidades de anfetamina. Entregou voluntariamente aos agentes.

Logo em seguida, no município de Capanema, durante abordagem a um veículo de carga, foram encontrados 41 comprimidos de nobésio extra-forte. O condutor informou ter comprado num restaurante em Roraima.

Foram lavrados Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) pelos flagrantes de porte de substância proibida para cada caso, nas delegacias dos municípios onde as abordagens ocorreram. Os condutores foram detidos pelos agentes e liberados após se comprometerem a comparecer em juízo quando convocados. As drogas foram apreendidas e encaminhadas a perícia.

PRF encontra 11 cartelas e em nota, a PRF ressalta que “…apesar de que a anfetamina tem como uso principal o combate à obesidade, a substância tem a comercialização regulamentada ou proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.

“Entretanto, é comum ser utilizado o princípio ativo da substância pelos condutores de veículos que transportam cargas com prazo curto para entrega (frutas, verduras, legumes e cargas vivas) pelo efeito colateral, que é a perda de sono, a fim de sustentar longos períodos sem dormir, sendo comum os casos em que estes condutores permanecem mais de 24 horas dirigindo ininterruptamente”, conclui a nota.

Fonte: Diário Online

Publicidade
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação