Publicidade

Faltam 400 metros para finalizar a ponte Abunã. Bolsonaro diz que finaliza em fevereiro

Publicidade

O cronograma está sendo rigorosamente cumprido, com as obras andando praticamente 24 horas por dia

Faltam 400 metros para finalizar a ponte e as notícias boas, outras nem tanto, quanto o assunto é a ponte sobre o rio Madeira, na ponta do Abunã, que vai nos ligar ao Acre por via rodoviária e ligar o Brasil ao Pacífico, via Peru, um sonho acalentado desde os anos 90, quando o então empresário e vice-governador Miguel de Souza (no governo de José Bianco), começou a lutar para que o devaneio se tornasse realidade. Fazendo uma rápida retrospectiva, a ponte de mais de 1 quilômetro, foi projetada ignorando-se a época das cheias. Ou seja, do lado de cá do rio Madeira, ela ficaria inacessível, pela subida das águas, durante vários meses.

Todo o projeto teve que ser refeito. Afora isso, além de se ter que construir um acesso que superasse as cheias, houve necessidade de se ampliar a ponte em mais 400 metros, do lado de cá, para que, aí sim, ela fosse viável e dê passagem ao transito o ano todo. A boa notícia é sobre o acesso.

A empresa Madecon, rondoniense da gema, que já fez obras como a conclusão dos viadutos e as pistas laterais da BR 364, via Dnit, é a responsável pelo acesso do lado de cá do Madeirão. O cronograma está sendo rigorosamente cumprido, com as obras andando praticamente 24 horas por dia. Para se ter ideia da grandeza do trabalho, estão sendo movimentados nada menos do que 350 mil metros cúbicos de terra. Está sendo construída uma super infraestrutura, para que não haja nenhum problema, mesmo em tempo de cheias, para a passagem pela ponte.

A notícia que não é tão boa (embora seja comum em obras públicas), é que dificilmente os novos 400 metros de extensão da ponte sejam concluídos até dezembro. No último mês do ano, o presidente Jair Bolsonaro já havia agendado sua vinda a Rondônia, exatamente para entregar a histórica obra, iniciada bem antes, mas concluída no seu governo, a um custo final que vai ultrapassar, fácil, os 200 milhões de reais.

Especialistas em obras complexas como essas, ouvidos por esse Blog, disseram que dificilmente tudo estará pronto antes de meados ou do final de fevereiro. Embora seja mais uma vez empurrada com a barriga, a gigantesca obra da ponte, que terá ares de internacional, pela ligação que propiciará com outros países, será sim entregue, embora só daqui a seis meses.

Daqui a 12 dias, em 2 de outubro, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas, um dos mais elogiados do atual governo, virá ao Estado. Vem entregar oficialmente as obras das pistas laterais da BR e outras obras do Dnit na cidade e visitará as obras da ponte, em Abunã. Provavelmente lá vai anunciar os novos prazos para entrega definitiva da obra. Bolsonaro terá que mudar sua agenda sobre Rondônia. De dezembro para fevereiro do ano que vem.

Fonte: Tudo Rondonia

Publicidade
Junior Ribeiro

Engenheiro Civil no 10º semestre pela Universidade Estácio de Sá, um amante de veículos pesados devido grande influência do pai. Aos 7 anos de idade o seu maior sonho era ser motorista de transporte coletivo, no entanto, no ano de 2014 ingressou em uma empresa de transporte coletivo, como jovem aprendiz onde juntamente com seu amigo de trabalho fundou o Brasil do Trecho.

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação