Caminhoneiro chorando se sentiu um mendigo procurando por comida

Em vídeo nas redes sociais, o motorista Ilizeu Kosooski conta como foi presenciar o fechamento do único restaurante que tinha encontrado aberto na estrada

Caminhoneiro chorando se sentiu e o caminhoneiro Ilizeu Kosooski, de 34 anos, fez nesta segunda-feira, 23, um desabafo que comoveu as redes sociais. Em vídeo publicado no Facebook, que possui mais de 640 mil compartilhamentos, o motorista criticou as condições que caminhoneiros estão trabalhando, diante da pandemia do novo coronavírus.

Emocionado, ele relata que durante sua rota, precisou parar em um restaurante na BR-101, em Casimiro de Abreu (RJ), e o que encontrou foi o comércio sendo fechado. “O único restaurante que estava aberto era de uma senhora. Por volta das 16 horas, chegou a vigilância e mandou fechar o local. Hoje, ela vendeu marmitas para nós, eu ia ficar para jantar porque lá eu tinha certeza que teria comida, agora já não sei mais”, disse.

No vídeo, Kosooski comenta que há poucos caminhoneiros nas estradas. Segundo ele, muitos estão com medo da doença. “Eu olho para a rodovia e ela está assim, vazia, todos estão trancados em casa, mas ninguém pensa em manter o Brasil em pé. Mas se a gente não transportar o alimento, como os médicos e enfermeiros conseguirão trabalhar? Eles também precisam se alimentar”, questiona.

Caminhoneiro chorando se sentiu e ele faz ainda um apelo ao governo para que mantenha restaurantes e outros comércio essenciais abertos nas rodovias. “Será que não está na hora se amenizar a situação, deixar restaurantes abertos, dar suporte para nós. Precisamos do apoio de todo mundo. As autoridades precisam saber que a gente precisa de suporte nas estradas”.

Fonte: Canal Rural

brasildotrecho:

Ver comentários (1)

  • Vejo com indignação o profissional da estrada ser tão massacrado em nosso país

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa cookies.

ler