Scania vai lançar ônibus K320 4×2 movido a GNV

Scania vai lançar ônibus K320 4×2 movido a GNV

Scania vai lançar ônibus rodoviário a GNV até o fim do ano e prevê economia de 20% em comparação ao diesel

Scania vai lançar ônibus rodoviário a GNV (Gás Natural Veicular) até o fim do ano de 2020. A perspectiva foi informada ao Diário do Transporte pelo novo gerente de Vendas de Ônibus da Scania no Brasil, Fábio D´Angelo, em entrevista exclusiva.

Segundo o executivo, o chassi será o K320 4×2 e a perspectiva de comercialização é para o segundo semestre do ano. Com o veículo, a estimativa de economia é de 20% em comparação ao diesel.

“Nós lançaremos um rodoviário a GNV. A expectativa é de que no segundo semestre tenhamos uma versão rodoviária dedicada ao segmento de fretamento. A ideia é focar no primeiro momento em operações de curta distância, de no máximo 300 quilômetros entre abastecimentos“, disse.

D´Angelo afirmou que a Scania já está realizando os processos de homologação e preparação do lançamento do produto e as perspectivas de venda são boas.

“Temos perspectivas não só de operadores, mas de clientes contratantes. Assim como acontece com caminhões, os embarcadores vêm demandando soluções sustentáveis em sua cadeia logística. Os provedores de transporte estão sendo levados a comprar caminhões GNV e já existe esse movimento também para o transporte de fretamento”, explicou.

“Empresas com grande número de colaboradores, que têm notoriedade e compromisso com meio ambiente vêm buscando soluções ao diesel. Alguns operadores de fretamento já nos demandaram um ônibus a gás para o transporte de fretamento. Estamos trabalhando com isso e até o final do ano vamos lançar o produto”, completou o executivo.

CUSTO OPERACIONAL

Além dos benefícios ambientais, o gerente de Vendas de Ônibus da Scania no Brasil afirmou que a economia no custo operacional com um ônibus a GNV chega a 20% em comparação ao diesel.

“De modo geral, em questão de eficiência energética e testes que fizemos, a economia do custo operacional chega a 20% em uma condição normal de precificação de combustíveis”, afirmou.

“Falo isso porque existe um interesse das distribuidoras de gás em fomentar a demanda da utilização do combustível. Existe um interesse da Scania em colocar os ônibus que são geradores de demanda para o mercado”, explicou o executivo.

Fonte: Diário do Transporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.