Oposição sinaliza apoio a caminhoneiros

Publicidade

Membros da oposição ao governo estão apoiando caminhoneiros

Postos para ampará-los em uma possível nova greve, que, se ocorrer, pode voltar a abalar o país e a atividade econômica. No Rio de Janeiro e no Nordeste, sobretudo em Pernambuco, transportadores autônomos estão recebendo apoio de parlamentares e ex-parlamentares opositores. Autônomos apontam deputados e senadores de partidos como PT, PCdoB, PSol, PDT e PSB como responsáveis por induzir a categoria a reivindicar seus direitos, como a revogação de uma resolução que restabeleceu a vigência do popularmente chamado “piso mínimo de frete”.

A “tabela” em vigor foi restaurada após o governo sentenciar sua suspensão ao fim de julho. O atual piso, que havia sido amplamente criticado pela categoria, trouxe algumas modificações em relação à redação então publicada. Para caminhoneiros, os ajustes “pioraram o que era ruim” e, com isso, resgataram as ameaças de uma nova greve que, de acordo com autônomos, está sendo usada pela oposição para “incendiar” a classe trabalhadora.

“A esquerda está chegando com força. No Rio de Janeiro mesmo tem caminhoneiro sendo procurado por assessores de senadores, ex-senadores, deputados, enfim, pessoas que podem ajudar. E aí falam que eles se solidarizam com a categoria e se dispõem a prestar apoio. Mas o que chega a nós é que a esquerda quer, na verdade, ‘tocar o terror’. Estão incentivando a parar”, afirma, ao Blog, um líder autônomo. Os gestos de proximidade feitos nos estados vêm do Congresso. Estão sendo procurados, sobretudo, apoio a caminhoneiros que comparecem a reuniões a Brasília para cuidar da interlocução com o governo por medidas que deem um alívio à classe.

Os transportadores são questionados pelos assessores dos parlamentares da oposição se a tabela está sendo cumprida. “E eles sabem que não está”, diz um líder. Os interlocutores dizem a eles que, se a categoria fizer greve, os parlamentares colocarão os gabinetes à disposição para dar total apoio à classe trabalhadora. E não é a primeira vez que autônomos são procurados pela oposição. “Às vezes eles tentam essa aproximação, mas a procura aumentou depois da greve do ano passado”, acrescenta.

Apesar dos movimentos da oposição, os parlamentares são vistos apenas como indutores de uma possível greve. Caminhoneiros admitem que não seriam os congressistas os principais catalisadores. O Blog foi inserido no grupo de WhatsApp do Comando Nacional do Transporte, onde se encontram alguns dos principais líderes da categoria. Nesta quarta-feira (20/11), várias mensagens de desabafo foram postadas. Entre elas, um áudio de uma liderança no Nordeste.

“Não é só você e a mim que a esquerda está procurando. Está procurando gente que gosta de brigar, gente que defende nossa causa, não é gente que vai a Brasília puxar saco de político não. Nunca defendi bandeira política partidária de ninguém. Não tenho lado. A única bandeira que sempre levantei e vou continuar levantando é a da nossa categoria, mas já deixei recado aí também. (…) Ou esse governo nos dá resposta até segunda-feira (25/11), ou vou começar a me reunir com essas pessoas, seja lá de onde for, mas com qualquer um que venha a apoiar nossa causa, independentemente do intuito dessas pessoas”, comentou o autônomo.

Indignação

O apoio a caminhoneiros pede a revogação do que chama de “tabela da morte”, o piso mínimo restabelecido, e o “Ciot para todos”, o Código Identificador da Operação de Transporte, que, atualmente, se aplica apenas ao autônomo, não às empresas. Sem a equiparação, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) não consegue fazer a fiscalização adequada das notas emitidas para as cargas transportadas, que, segundo garantem caminhoneiros, o mercado está pagando valores de frete abaixo do piso mínimo estabelecido pela resolução.

Fonte: Correio Braziliense



Publicidade
admin_brasildotrecho

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação