Categorias Uncategorized

Ambev será a primeira a comprar 1600 e-Delivery fabricando no Brasil

Publicidade

Revolucionário, 43% de sua energia é proveniente do próprio sistema regenerativo que vem dos freios do veículo


A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), que, junto a Scania e MAN, faz parte do grupo Traton, anunciou a criação do e-Consórcio em sua fábrica de Resende, no Rio de Janeiro.  A novidade foi compartilhada por Roberto Cortes, CEO da VWCO, durante o Innovation Day que aconteceu em Estocolmo, na Suécia. Os caminhões serão fabricados no Brasil e produzidos a partir de 2020.

Na prática, agora a fábrica será capaz de oferecer a linha completa de produção de caminhões e ônibus desde a montagem até a infraestrutura de recarga e gerenciamento de ciclo de vida da bateria desses veículos. A ideia é facilitar o acesso à tecnologia elétrica em veículos comerciais.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A primeira grande cliente da novidade é a cervejaria Ambev, que assinou um acordo de intenção de compra para ter, até 2023, mais de um terço da sua frota de distribuição de parceiros composta por caminhões elétricos da Volkswagen. A iniciativa envolve 1.600 veículos movidos a energia limpa e deve impulsionar o desenvolvimento dessa tecnologia.


“O Grupo Traton foi criado há pouco mais de quatro anos e estamos investindo R$ 1,5 bilhão até 2021. Desta vez, nosso time construiu de forma pioneira configurações de tecnologia e de modelo de negócios que vão facilitar a introdução desses veículos elétricos no cenário de transporte mundial”, afirma Cortes.

O conceito do e-Consórcio segue o modelo do Consórcio Modular, um sistema de produção em que sete fornecedores dividem com a VWCO a responsabilidade pela montagem dos veículos dentro da fábrica, com aumento da produtividade e redução dos custos. Assim, fabricantes como a Weg, a baterias Moura, a Siemens e outros trabalham como parceiras da montadora em suas respectivas expertises.

A empresa acredita que a eletrificação é o novo modelo de negócio e está apostando nesse tipo de inovação. No evento, Cortes ressaltou o pioneirismo da montadora, já que a Volkswagen é a primeira a apresentar e operar um caminhão elétrico no Brasil.

O InfoMoney testou o modelo, chamado e-Delivery. Totalmente eletrificado, o caminhão de 11 toneladas é bem silencioso, ao ponto de não dar para perceber se o veículo está ligado ou não. O modelo chegar a 70 km/h e rodou mais de 15 mil quilômetros em testes de engenharia e condições reais na distribuição de bebidas em São Paulo. Ainda, 43% de sua energia é proveniente do próprio sistema regenerativo que vem dos freios do veículo.

A empresa também anunciou um ônibus elétrico ainda em fase de testes na planta de Resende, no RJ. O modelo, chamado Volksbus e-Flex, tem configuração modular e flexível e pode rodar como um veículo puramente elétrico no conceito plug-in ou usar motores bicombustíveis, ou, ainda, utilizar sua versão para gás natural ou biometano 1.4 TGI –, para alimentar o motor elétrico.

O grupo Traton nasceu há quatro anos e é composto da VWCO, a Scania e o MAN, sendo que cada marca atua majoritariamente em regiões diferentes. A primeira na América Latina, a segunda nos países escandinavos e a terceira na Europa.

Com foco em sustentabilidade, o grupo quer cada vez mais implementar a eletrificação e os veículos autônomos em suas frotas.

“Queremos inovar para estar na frente. Inovação significa criar valor para o cliente, pensar em novas abordagens e novas formas de processar coisas. A indústria de transporte está se transformando e quem não se adaptar vai ficar para trás. Inovação é nosso principal pilar estratégico”, afirmou  Andreas Renschler, CEO do grupo durante o evento na Suécia.

Em junho deste ano, a Traton fez seu IPO (abertura de capital) nas bolsas de Frankfurt, na Alemanha, e na de Estocolmo, na Suécia, e levantou US$ 1.8 bilhão. Em 2018, o grupo obteve US$ 26 bilhões em receitas e mas de US$ 13 bilhões só no primeiro semestre deste ano.

O CEO acredita que foi um passo importante e bem sucedido, principalmente por ter ocorrido em um momento “incerto e frágil” da indústria.

Segundo ele, há novos modelos de negócio sendo desenvolvidos pela empresa, além de produtos, para melhorar a utilização de caminhões, reduzir rotas vazias, diminuir horas de trabalho e levar o cliente para próximo patamar de satisfação quando se trata de logística.

Fonte: Info Money
Publicidade
admin_brasildotrecho

Deixe um comentário

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação