Caminhoneiros ameaçam com paralisação para tensionar julgamento da tabela do frete

Caminhoneiros em Curitiba em protesto

Num movimento semelhante ao que antecedeu a greve de maio do ano passado, caminhoneiros de todo o Brasil começam a se articular pelo WhatsApp para uma paralisação da categoria na semana em que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a constitucionalidade da lei do piso mínimo para o frete rodoviário, considerada a principal conquista dos caminhoneiros depois do movimento que parou o país em 2018.



Com o julgamento da lei na pauta do dia 4 de setembro no Supremo, os movimentos articulam parar a partir do dia 2, uma segunda-feira. A ideia, segundo as lideranças do movimento, é que os caminhoneiros não carreguem no início da semana do julgamento e que os que já estiverem carregados parem em vigílias em pontos estratégicos como postos de combustíveis ou entradas de portos. Desde o final de semana, circulam nos grupos de Whatsapp vídeos de dezenas de líderes dos caminhoneiros autônomos anunciando a adesão dos profissionais de sua região à mobilização nacional.





“Dia 4 de setembro o STF vai votar a nossa dignidade. Então, nosso apelo é para que, no dia 2, 3 e 4, não carregue. Simplesmente não carregue, tire esses dias para uma vigília. Se estiver carregado, pare no posto. Vamos mostrar nossa união. Foi assim que vencemos em 2018”, diz Fabiano Careca, um dos líderes do movimento em Minas Gerais, em vídeo que começou a circular no sábado.

Um dos representantes paranaenses nas articulações nacionais também soltou seu vídeo na rede. “Querem tirar nosso direito, cassando essa nossa lei. O que queremos fazer não é uma greve, mas um protesto. Não vamos carregar o caminhão, vamos aguardar, tirar uma semana, para pressionar pela garantia desse piso mínimo. Sem conflitos, sem xingar ninguém, vamos encostar nossos caminhões nos postos de combustíveis, fazer protestos com faixas.”

Fonte: Gazeta do povo

brasildotrecho:

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa cookies.

ler