Petrobras completa 19 dias sem reajuste no preço do diesel

Placa de posto de gasolina informando valor do óleo diesel

Valor do óleo diesel não sofreu nenhuma alteração nos últimos 19 dias

A Petrobras já acumula 19 dias sem reajustes nos preços do diesel nas refinarias. É o período mais longo sem mudanças nos preços desde o fim do programa de subvenção implementado pelo governo Michel Temer, no segundo semestre de 2018, que mantinha os valores do diesel congelados, nas refinarias, por um mês.


A estimativa, segundo um analista de um importante banco de investimentos, é que o reajuste represado esteja entre 3% a 5%. A fonte, no entanto, afirma que, por ora, não há motivos para preocupação quanto a prejuízos, porque a estratégia da Petrobras é utilizar mecanismos de proteção, como o hedge com o emprego de derivativos, para preservar a rentabilidade de suas operações.

Em meio a rumores de uma nova greve dos caminhoneiros, a estatal divulgou, no dia 26 de março, que passaria a reajustar os preços do diesel nas refinarias por períodos não inferiores a 15 dias. Desde então, não houve correções nos valores nas refinaras. A última mudança nos preços foi feita no último dia 22 de março.



No acumulado do ano, em 100 dias (a serem atingidos amanhã), a Petrobras reajustou o diesel 14 vezes - uma média de um reajuste por semana. A média, em igual período do ano passado, era de um reajuste a cada 1,6 dias.

Já na gasolina, a Petrobras está sem reajustar os preços do combustível há cinco dias. Entre 19 de março e 4 de abril, a companhia ficou 17 dias sem mudar os preços nas refinarias. Depois disso, aumentou os valores em 5,6%.

No acumulado do ano, são 24 reajustes nos preços da gasolina nas refinarias, uma média de um reajuste a cada quatro dias. Em setembro de 2018, em resposta à greve dos caminhoneiros, a companhia anunciou uma mudança na sua política de preços e passou a trabalhar com mecanismos de hedge, de forma a aumentar os períodos de estabilidade dos preços nas refinarias.

Na ocasião, a empresa informou que o hedge passaria a ser adotado "por não mais do que 15 dias". Até então, a estatal praticava reajustes a qualquer momento. Nos 100 primeiros dias de 2018, para efeitos de comparação, a Petrobras reajustava os preços da gasolina, em média, a cada 1,7 dias.
Fonte: Valor

Nenhum comentário

Deixe seu comentário...