BR-163: caminhoneiro leva 2 dias para rodar 25 km por causa de atoleiros

BR-163: caminhoneiro leva 2 dias para rodar 25 km por causa de atoleiros

Motoristas enfrentam enormes dificuldades para trafegar pela rodovia no Pará, por conta das chuvas que atingiram a região e eliminaram condições de rodagem

O caminhoneiro Vilson Correia enviou relato ao Canal Rural informando que, entre a última sexta-feira, dia 1º, e este domingo, dia 3, conseguiu rodar cerca de 25 quilômetros na rodovia BR-163. Assim como ele, um número incontável de motoristas vem encontrando dificuldades para se movimentar pela rodovia, atingida por fortes chuvas que levaram à formação de atoleiros no trecho no estado do Pará. Há relatos de que as filas de veículos se prolongam por 50-70 ou ainda mais quilômetros de estrada.


Conforme o que já havia contado ao Blog do Canal Rural Mato Grosso na sexta, Correia estava há três dias parado com seu caminhão carregado de insumos na localidade de Riozinho das Arraias, pertencente ao município de Novo Progresso, no Pará, tentando voltar a Mato Grosso. Ele relatou que no local havia apenas dois pequenos mercados, já quase desabastecidos, para fornecer mantimentos aos caminhoneiros presos naquele trecho da estrada.


A expectativa era chegar à área urbana de Novo Progresso, há apenas 25 km de Riozinho das Arraias – o que consumiu dois dias do caminhoneiro. Neste domingo, no começo da tarde, Vilson Correia nos avisou que estava almoçando na cidade.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) divulgou nota neste fm de semana informando que, devido às intensas chuvas na região Norte e à realização de serviços de manutenção para garantir a trafegabilidade do trecho não pavimentado da rodovia BR-163/PA, o trânsito de carretas e caminhões na rodovia federal está sendo bloqueado nas cidades de Santa Helena (MT) e Guarantã do Norte (MT) por equipes da Polícia Rodoviária Federal (PRF).


Equipes do DNIT, do Exército e da PRF também estão retendo os caminhões carregados no Posto de Controle de Trânsito da Serra da Anita, sentido norte, rumo aos portos de Miritituba (PA). O objetivo, diz a nota, é garantir o escoamento da produção de soja e evitar o acúmulo dos veículos em Moraes Almeida (PA), onde a subida das serras está com a pista escorregadia, dificultando a passagem de caminhões carregados.

De acordo com o DNIT, após conclusão dos trabalhos emergenciais, o fluxo de caminhões será liberado gradativamente, destravando o trânsito no local. A orientação aos caminhoneiros que ainda não estão na região é para que respeitem o bloqueio e iniciem o deslocamento de Mato Grosso ao Pará somente a partir da próxima terça-feira, dia 5, para evitar maior degradação da via.
Fonte: UOL

Nenhum comentário

Deixe seu comentário...