Motorista de caminhão que bateu em helicóptero nunca tinha se acidentado em 20 anos, diz empresa

Motorista de caminhão que bateu em helicóptero nunca tinha se acidentado em 20 anos, diz empresa

João Adroaldo Tomackeves trabalha desde 1999 na transportadora de Caxias do Sul, Serra gaúcha. Segundo gerente, ele estava em viagem desde sábado (8), e não se feriu com gravidade.

O motorista do caminhão Scania que colidiu com o helicóptero que caiu nesta segunda-feira (11) na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, João Adroaldo Tomackeves, 52 anos, nunca tinha se envolvido em acidentes desde que começou a trabalhar na empresa Rápido ABC Transportes, conforme seu gerente de logística, Adriano Rech.

No helicóptero, estavam o jornalista Ricardo Boechat e o piloto Ronaldo Quatrucci. Ambos morreram no local. Tomackeves não se feriu com gravidade.

A empresa é sediada em Caxias do Sul, de onde o caminhoneiro saiu, no último sábado (8). Conforme o gerente de logística, Tomackeves viajou rumo a Diadema, em São Paulo naquele dia.

Acidente em que Ricado Boechat e piloto morreram surpreende especialistas em aviação

Ele levou uma carga de farinha de trigo, entregue na manhã de segunda. Depois, passaria em Cajamar para carregar o caminhão com a carga da volta, de matéria-prima.

A empresa tem filiais em Curitiba e São Paulo, conforme Adriano. Um gerente da unidade paulista foi até o local do acidente, para avaliar os estragos. Assim que o veículo for liberado, a empresa entrará com o pedido de ressarcimento do seguro. De acordo com Adriano, pelo que foi possível ver nas imagens, o veículo teve perda total.

Jornalista Ricardo Boechat morre em queda de helicóptero em SP


Caminhoneiro passou mal
Levado a prestar depoimento em uma delegacia da Polícia Civil, Tomackeves passou mal e precisou ser levado a um hospital na tarde de segunda-feira.

"Trouxeram o motorista. Ele está na minha sala passando mal", disse ao G1 o delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 46º Distrito Policial (DP), em Perus, na Zona Norte da capital paulista.

O investigador que estava com Tomackeves informou ainda que ele estava a caminho do pronto-socorro do Hospital de Perus. A reportagem telefonou para o celular do motorista, que foi atendido pelo policial civil que o acompanhava, informando que ele passava por exames durante a tarde, e que a família já tinha sido avisada do acidente.

O caminhão Scania dirigido pelo motorista tinha acabado de passar pelo pedágio quando bateu na aeronave que havia caído.

Segundo policiais do DP, o motorista estava com ferimentos na cabeça e escoriações pelo corpo e deveria ter ido direto a um hospital ao invés da delegacia. Mas, de acordo com a CCR Rodoanel, concessionária que administra o trecho do acidente, o motorista teve aparentemente ferimentos leves e recusou atendimento no local.
Fonte: G1

5 comentários:

  1. O caminhão não bateu no helicóptero, e sim o helicóptero bateu no caminhão! Ate porque caminhão nao voa ne gente?

    ResponderExcluir
  2. como sao burros , deve ter sido formado na escola com partido , so pode ser petista uma desgraça desse , deve ter passado no enem daquela outra anta , . nem um titulo de uma materia sabe colocar , aonde ja se viu um caminhao voando !!!!!

    ResponderExcluir
  3. Analfabetos funcionais, corrijam: O helicóptero caiu sobre o caminhão e não o foi o helicóptero parado na pista que sofreu a colisão. Parem de querer ferrar a vida de inocente. Blog sendo blog. Nunca serão ou nunca terão credibilidade assim.

    ResponderExcluir
  4. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Esse voa então....

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário...