Scania lança na Europa nova geração de caminhões híbridos

Scania lança na Europa nova geração de caminhões híbridos

Caminhões híbridos versáteis para aplicações urbanas


PHEV/HEV (veículo híbrido plug-in/híbrido elétrico) baseado na Nova Geração de caminhões Scania
Aplicações urbanas para distribuições e construção
Solução percorre 10 km com zero de emissões
Economia de combustível de até 15%; pode trabalhar com HVO (óleo vegetal tratado com hidrocarbonetos)
Scania Zone – Sistema que facilita operações em zonas sensíveis (caminhões equipados automaticamente adotam as regras do híbrido para o modo elétrico)
PTO (tomada de força elétrica) em conformidade com o PIEK (regulamentação de emissões de ruído) aberto para operações na cidade à noite em ruas não congestionadas
Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro – Durante a IAA 2018 (67º Salão Internacional de Veículos Comerciais), a Scania vai exibir simultaneamente os  caminhões híbrido elétrico plug-in (PHEV), baseado na Nova Geração de caminhões, e seu “irmão”, o caminhão elétrico híbrido (HEV), ambos com o novo sistema Scania Zone. Ambos já estão em conformidade com as regulamentações de velocidade e emissões de ruídos de determinadas zonas sensíveis na Europa. A feira será realizada em Hannover,  Alemanha, de 20 a 27 de setembro.

“A Scania continua em seu caminho para a mobilidade ideal com a abordagem “aqui e agora”, oferecendo soluções com as capacidades necessárias para apoiar os clientes do segmento urbano para um caminho mais sustentável, desde o primeiro dia de operação”, comenta Maria Johansson, diretora de Produto na divisão global de Caminhões Urbanos da Scania. “Vamos lançar primeiramente a versão HEV (veículo elétrico híbrido), com encomendas a partir de novembro de 2018 e a PHEV (veículo híbrido plug-in) chegará em 2019. Os clientes Scania terão uma solução com um hardware bastante confiável, com carregamento regenerativo, sem a preocupação do veículo não chegar ao seu destino, com emissões zero pelo tubo de escape e sem comprometer sua total economia operacional.”

Os novos caminhões híbridos são equipados com os motores Scania DC09, de  5 cilindros em linha, que poderão utilizar o HVO (óleo vegetal tratado com hidrocarbonetos) ou diesel, trabalhando em paralelo com a máquina elétrica gerando 130kW (177hp) de potência e 1,050Nm. A janela de energia da bateria recarregável de lítio está definida para 7,4 kWh, garantindo uma longa duração. Os caminhões poderão ser dirigidos no modo totalmente elétrico, sem qualquer suporte do motor a combustão, graças aos auxiliares elétricos para direção e suprimento de ar de freio. 

“Nos dias de hoje, os caminhões urbanos híbridos são considerados o estado da arte em termos de economia total, disponibilidade e sustentabilidade na operação”, conta Johansson. “Combinado com o HVO trará a redução de CO2 de até 92% ao mesmo tempo em que oferece excelente produtividade nas áreas urbanas em constante expansão. Neste cenário, os motoristas enfrentam desafios como segurança, demandas ambientais e congestionamentos”.

Alguns detalhes sobre os caminhões híbridos

Os primeiros veículos HEV foram baseados nos pioneiros caminhões da geração Scania P G R.

A seguir uma pequena entrevista com Jesper Brauer, gerente de Produto na divisão global de Caminhões Urbanos Scania. Nela, o executivo comenta mais detalhadamente sobre as soluções e intenções do novo híbrido, baseado na Nova Geração de caminhões da marca.

Porque um Scania híbrido? Qual é o valor para o cliente?

“Notamos que a maioria das novas operações de caminhões em áreas urbanas migrarão gradativamente para a eletrificação total nas próximas décadas, quando a tecnologia de baterias e infraestrutura entrarem definitivamente em vigor. Mas até lá, nossa indústria, diria que está em franca transição, em que soluções como os híbridos e combustíveis alternativos – ou a combinação dos dois, como em nossos caminhões apresentados na feira – oferecerão as melhores opções e valores razoáveis de economia operacional total para os clientes do mundo real.

Os novos veículos híbridos Scania podem operar diariamente, desafiando ambientes urbanos, com o mesmo tempo de atividade e necessidade previsível de manutenção, que os caminhões Scania convencionais. Mas quando adicionamos o elétrico, com emissões zero de escapamento, se transformam em uma ferramenta que dispõe uma solução de transporte sustentável sem precedentes, única. Sua poderosa máquina elétrica e uma faixa operacional útil de 10 km, no modo elétrico, apresentam um mundo de oportunidades. 

Os caminhões de distribuição, assim como os urbanos de construção-civil, terão a chance de realizar tarefas nas cidades no período noturno em áreas sensíveis, que durante o dia são muito congestionadas. Com emissões de zero poluentes e ruídos abaixo de 72 dB(A), o que se tornou de fato um padrão, baseado na PIEK, regulamentação de emissões de ruídos, estabelecida na Holanda.”

 

Qual é a estratégia da Scania em relação ao carregamento e uso de baterias?

“A tecnologia de baterias de lítio ainda é o melhor caminho testado e disponível. Assim como os nossos primeiros caminhões HEV, os caminhões HEV/PHEV utilizam principalmente a frenagem regenerativa para carregar, capturando a energia cinética. A intenção é dirigir o caminhão no modo Auto Zero de emissões de escape (ZTE), ou seja a parte elétrica é sempre usada para mover o conjunto já nas velocidades baixas, fornecendo a energia disponível da bateria. O modo Auto ZTE resultará num baixo consumo de combustível, pois cortará a combustão interna do motor (ICE) sempre que for favorável durante a operação.

As novas opções de caminhões PHEV (plug-in) poderão iniciar seu trabalho com a bateria totalmente cheia. O recarregamento complementar será realizado durante as paradas do motorista para coletar ou descarregar a carga transportada ou até mesmo no seu descanso. O carregamento de 22 kW de energia levará cerca de 20 minutos com um suprimento regular de carga. Resultado: maior economia de combustível.

Determinamos parâmetros muito conservadores quanto a utilização de baterias para assegurar uma longa duração. Evitando a drenagem e os altos picos, ela durará entre quatro a sete anos em condições normais, e dependendo da operação. O motorista poderá forçar o carregamento da bateria enquanto dirige (para se preparar para o modo ZTE), mas vai aumentar o consumo do combustível.”

 

Como o motorista poderá dirigir e monitorar o uso da bateria?

“Nestes veículos, o painel vai mostrar em tempo real ao condutor o nível de energia. Quando os freios são acionados, o caminhão será capaz de informar se a potência de frenagem será fornecida pela máquina elétrica e poderá lidar com toda energia regenerada, ou se os freios de escape ou os de serviço deverão gerar suporte. No display do painel, setas azuis mostrarão se a potência gerada poderá ser alimentada de volta para a bateria. Se o motorista frear com mais força do que o sistema regenerativo suportar, as setas ficarão amarelas. Assim como qualquer outro caminhão pesado, um estilo planejado de dirigir com ações antecipadas, compensará sob muitas perspectivas o resultado da operação. O display também apresentará o status de uso da bateria e a faixa de utilização do ZTE esperada.

Esses caminhões têm o Scania Retarder elétrico, com a tradicional alavanca na coluna da direção. Essa tecnologia oferece cinco posições: 1-3 significa frear somente com a máquina elétrica; o 4 frenagem máxima com a máquina elétrica adicionando o freio de escape ICE (motor de combustão interna); por fim, o 5 adiciona o aumento da frenagem do motor.”


Quais são as opções de motores disponíveis para o hibrido?

“Os caminhões poderão ser encomendados com qualquer motorização DC09, com 280, 320 ou 360cv. O modelo apresentado na IAA terá propulsor DC09 320 cavalos.”

 

Quais outras inovações teremos sobre o caminhão hibrido da Nova Geração?

“Nós incluímos uma nova opção de aumento de potência, por exemplo. Se o motorista baixar uma marcha para aceleração, a máquina elétrica vai aumentar em 50kW ou 250Nm, desde que a bateria esteja suficientemente carregada. Se o condutor acionar o modo Performance, um aumento extra de potência de 20kW ou 150Nm, sempre será adicionado durante a aceleração, mesmo que a função baixar marcha não esteja ativa.

De fato, nossos híbridos aumentarão automaticamente o torque disponível em muitas situações para evitar a necessidade de baixar a marcha, que obviamente aumenta o potencial de economia de combustível. Eles em geral utilizarão estratégias de diferentes mudanças de marcha comparado aos convencionais. A típica troca de marcha de quinta para a sexta, acontece graças ao torque massivo que está rapidamente disponível a partir da máquina elétrica. E, ao frear ou diminuir a velocidade do veículo, reduções de marchas são evitadas para maximizar a regeneração de potência.”

 

E sobre o PTO (tomada de força elétrica), qual sua utilidade?

“Para utilizarmos todo o potencial do caminhão numa solução urbana como esta, precisamos ter um conjunto completo de recursos, como a funcionalidade elétrica que assegura que o veículo continuará silencioso e a possibilidade de uma operação como guindaste sem criar qualquer tipo de barulho. Nós também produzimos híbridos com direção elétrica e um compressor de freios elétricos, para trabalhar sem ter que utilizar o ICE, freio de escape em marcha lenta, para fornecimento de ar de freio.”

 

E quanto aos serviços?

“Quando oferecemos soluções como esta, gradualmente virão com um tipo de serviço que ajudará nosso cliente a tirar total vantagem do produto.”

 

Como o sistema Scania Zone atua com os caminhões híbridos?

“O Scania Zone é um serviço opcional do Scania Fleet Management, de gestão completa de frotas por meio da conectividade, que combina excelentemente com os caminhões híbridos. Contudo, o Scania Zone pode também ser utilizado com todos os tipos de caminhões da Nova Geração Scania.

O Scania Zone auxilia motoristas nas zonas do acordo ambiental que exigem a utilização de regulamentação de tráfego ou áreas de proteção ambientais locais. O sistema informa o posicionamento em tempo real em que se encontra o veículo para ajudar o motorista a cumprir as normas de emissão de ruídos. Nosso PHEV/HEV pode utilizar funções do Scania Zone tais como limite de velocidade e modo elétrico de automação quando adentrar a zona geográfica sensível à emissões de ruídos. Quando o caminhão deixar essa zona, retorna automaticamente para a operação normal.”

 

Para quais tipos de operações caminhões como estes serão adequados?

“Naturalmente, eles se adequarão ao sistema modular Scania, pelo qual ofereceremos um amplo número de tipos de cabines e configurações de eixos para ambos caminhões cavalos mecânicos ou chassi rígido. Em combinação com três diferentes níveis de potência, ofereceremos o motor DC09, para uma variedade de aplicações urbanas. As encomendas podem ser feitas personalizadas com base em nossos híbridos, e eles serão capazes de lidar com capacidade máxima de tração (GTWs) com peso até de 26 toneladas, ou mais.

Todos os tipos de caminhões de distribuição vêm primeiro em minha mente, porém, não para aí. Os basculantes urbanos, preferencialmente com cabines Série L, bem como os caminhões para manuseio de lixo e todos os tipos de veículos para manutenção pública em ambientes urbanos, provavelmente, se adequam a esta solução, já que oferecemos também cabines da geração anterior, a P e G.”

 

A Scania pode garantir o alcance do híbrido em 10 km?

“Nunca é preto no branco quando se fala de alcance ou de autonomia. Sim, 10 km é um número relevante sob condições ideais, mas pode também aumentar. Dependerá muito do estilo de condução do veículo, números de paradas e arranques, situação de tráfego em estradas, temperatura exterior e assim por diante.”

 

Por último, como é dirigir o novo híbrido?

“Realmente, é uma experiência relaxante, como dirigir qualquer outro caminhão Scania da Nova Geração. Este veículo que estará na IAA tem uma cabine da série L, que obviamente traz capacidades extras na condução em ambientes urbanos congestionados. Mas fora isso, poderia ser qualquer caminhão de distribuição desde que as funções inteligentes e de sustentabilidade sejam integradas. E, é de fácil manuseio, você nem notará o peso extra e o trem de força funciona perfeitamente.

E esse é o ponto, operar caminhões inovadores como o híbrido da Scania não deve ser mais complicado do que um caminhão “normal”. A Scania como fabricante e os nossos clientes em potencial tem uma curva de aprendizado para escalar nas próximas décadas. É por isso que a cada etapa comercial que os clientes esperam chegar, e pagam, e depois ganham dinheiro no transporte, deve ser uma realidade capaz de lidar com desafios viáveis e pertinentes ao dia a dia do setor.”

 

Scania na IAA 2018

Múltiplas tecnologias para um futuro livre de combustível fóssil

Scania investe pesado no desenvolvimento de alternativas economicamente viáveis e que atendam a realidade do negócio dos clientes

Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro – Veículos elétricos a bateria serão fundamentais para a criação de um sistema de transporte comercial livre de energia fóssil até 2050, de acordo com os objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e do Acordo de Paris. No entanto, os biocombustíveis usados em motores a combustão ainda constituem a melhor alternativa a curto prazo. Esta será uma das reflexões que a Scania fará durante a IAA 2018 (Salão Internacional de Veículos Comerciais) realizada em Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro.

“Estamos desenvolvendo todas as tecnologias alternativas tendo em vista sua viabilidade comercial”, comenta Christian Levin, responsável pela divisão global de Vendas e Marketing da Scania. “Seria inviável lançar produtos que não atendam a realidade do negócio de nossos clientes. A premissa básica é oferecer uma solução que traga rentabilidade a médio prazo.”

Os caminhões híbridos plug-in e os ônibus a bateria elétrica Scania, que serão simultaneamente exibidos na IAA, atendem a esses critérios. “A Scania está bem posicionada quanto ao desenvolvimento de novas tecnologias mais econômicas”, diz.

Em uma pesquisa feita na Europa, a Scania tem explorado recentemente diversos caminhos em direção ao alcance zero em emissões de combustíveis fósseis para as próximas décadas, partindo da eletrificação completa até portfólios para todos os tipos de trem de força.

Esse estudo aponta que, com a rápida disseminação de veículos elétricos, serão necessários de quatro a cinco vezes mais investimentos em infraestrutura, considerando a situação atual; mas que, em 2050, reduzirá as despesas das operações em 40%.

De fato, o crescimento de veículos elétricos a bateria oferece um custo-benefício mais econômico em termos de redução total do transporte pesado. Até 2031, o custo total de operação dos veículos elétricos a bateria chegará à paridade com o diesel para todos os segmentos de veículos, incluindo o transporte de longa distância.

A Scania está comprometida em fornecer todas as tecnologias que podem ajudar imediatamente a reduzir as emissões de CO2. Para alcançar o total das vendas até 2040, será necessário um crescimento na taxa de adoção de novas alternativas de trem de força, livre de combustíveis fósseis, de pelo menos 5% a 10% por ano em média, no mundo.

 

Scania na IAA 2018

Soluções alternativas para a redução de carbono

Um dos lançamentos no Salão Internacional do Transporte será o caminhão híbrido plug-in para atuar na distribuição urbana

Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro – A Scania vai participar com grandes novidades da IAA 2018 (Salão Internacional de Veículos Comerciais) realizada em Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro. No estande da fabricante sueca estão expostos a linha completa da Nova Geração de caminhões, incluindo os modelos de longa distância, construção e aplicações urbanas – todos com a possibilidade de utilizar combustíveis alternativos.

A Nova Geração de caminhões foi recentemente anunciada no Brasil. Os pedidos começarão a ser aceitos no final de outubro e com as primeiras entregas a partir de fevereiro de 2019.

“A Scania está vivenciando uma mudança fundamental no que se refere ao transporte de cargas e de passageiros. O objetivo da Scania é ser reconhecida como parceira líder na transição para um sistema de transporte sustentável e de baixa emissão de carbono, que os transportadores exigem para suas operações”, comenta Alexander Vlaskamp, vice-presidente Sênior e responsável pela divisão global de Caminhões da Scania. “As cidades estão neste momento se preparando para o futuro, e todas as formas de transporte deverão se ajustar para atender as metas de redução de carbono, como firmado no Acordo de Paris.”

No evento internacional, a Scania apresenta sua linha completa de veículos e ônibus com toda a linha de combustíveis alternativos, se posicionando efetivamente para a descarbonização. A fabricante avança mais um passo na oferta de alternativas ao diesel com o lançamento do caminhão híbrido plug-in para atuar na distribuição urbana. Diferentemente do híbrido convencional, ele oferece uma tomada para carregar e recarregar a bateria.

A Scania combina os inigualáveis ​​recursos de segurança de sua recém-lançada série L, na Europa, - incluindo uma visibilidade bastante aprimorada - com as vantagens de operar o híbrido. Fato que oferece aos transportadores, que utilizam veículos de distribuição, a opção necessária de dirigir entre as distâncias dos armazéns suburbanos no modo do motor de combustão, e ao entrar no centro da cidade alternar para a propulsão elétrica. Enquanto estiverem descarregando a carga ou descansando, os motoristas poderão carregar as baterias em 20 minutos para depois continuar sua jornada de trabalho. 

Alternativas para a diminuir dos diversos tipos de poluição urbana

Cidades de toda a Europa também já estão introduzindo medidas de zoneamento de tráfego para conter a poluição, o barulho e a velocidade média. O Scania Zone é o novo serviço para auxiliar as empresas de transporte e seus motoristas, aderindo às regulamentações locais, atendendo as políticas de limites de velocidade, restrições de emissões de gases e limitação de ruídos nas zonas de delimitação geográficas com o auxílio do Scania Fleet Management.

Em seu estande na IAA 2018, a Scania vai apresentar aos visitantes sete caminhões diferentes. Haverá também um espaço externo composto por outros três modelos. Além dos caminhões também estarão expostos outros protagonistas no evento, os ônibus urbanos e rodoviários. Todos os veículos do estande contam com trem de força designados para o trabalho com combustíveis renováveis e soluções que contribuirão favoravelmente para o clima.

No espaço dos ônibus urbanos e rodoviários, serão exibidos um Scania Citywide com bateria elétrica e um Scania Interlink Medium Decker - o primeiro ônibus com um trem de força de gás natural liquefeito (GNL). A Scania ainda exibirá um Interlink MD de 13 metros com um alcance de GNL de até 1.000 quilômetros. Dessa forma, a Scania estende sua ampla gama de opções de combustíveis alternativos para viagens de ônibus interurbanas mais sustentáveis. Os visitantes também terão a oportunidade de experimentar o novo ônibus elétrico de bateria da Scania, em primeira mão, em test drives durante a feira.

 

Scania na IAA 2018

Scania Zone: Suporte aos clientes operando de forma sustentável

Scania Zone é um serviço baseado na geoposição para um ajuste automático dos veículos
Ajuda os motoristas a obedecer as regulamentações ambientais e de tráfego, possibilitando uma operação sustentável dos caminhões e maior segurança para os cidadãos
Ajustes de localização do veículo em tempo real, em zonas pré-definidas, auxiliam os motoristas a reduzir emissões e ruídos e fugir de congestionamentos
Excelente suporte para atender as crescentes demandas das cidades, com o aumento das preocupações com segurança e de como os veículos estão operando em áreas definidas como sensíveis a ruídos e congestionamento.
Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro – A Scania terá outra novidade na IAA 2018 (Salão Internacional de Veículos Comerciais) realizada em Hannover, Alemanha, de 20 a 27 de setembro. Trata-se do Scania Zone um pacote opcional de serviços do Fleet Management da marca. Ele permite que o cliente associe uma regra (como ‘velocidade máxima de 15 km/h’) a uma zona geográfica predefinida, de modo que, quando o veículo entra nesse perímetro, cumpra automaticamente as normas estabelecidas. As regras podem ser tanto informativas, alertando o motorista, ou voluntárias, que altera o comportamento do veículo.

“Scania Zone é a ferramenta perfeita para otimizar a aceitação de caminhões em todos os tipos de áreas determinadas sensíveis ou congestionadas”, afirma Clara Wallin, gerente da divisão global de Soluções Sustentáveis ​​de Serviços Conectados Scania. “O motorista agora pode pré-definir como e quando seu caminhão deve operar de acordo com algumas regras de tráfego com relação à velocidade, ruído e outras emissões. Isso obviamente levará a uma maior sustentabilidade e maior segurança.”

O Scania Zone facilita a regulagem das configurações de um veículo por meio do Scania Fleet Management, serviço que faz a gestão completa de frotas por meio da conectividade. As zonas podem ser grandes áreas geográficas, bem como seções mais limitadas ao longo de uma rodovia particular. Elas também podem ser definidas por um determinado período de tempo: durante a noite, por exemplo. E finalmente, quando o veículo chega ao limite pré-estabelecido, ele volta à operação normal novamente.

“Muitas cidades da Europa já estão implementando diferentes modelos de zonas com o objetivo de melhorar a qualidade do ar, segurança ou áreas congestionadas”, diz Wallin. “Emissões de ruídos também estão limitados a 72 dB de acordo com o PIEK (acordo de regulamentação de emissões de ruído), como um padrão estabelecido por vários países. Com o serviço do Scania Zone torna-se muito mais fácil o cumprimento das conformidades.”

As regras já pré-estabelecidas pela Scania incluem: limite de velocidade, baixas emissões (como emissões zero no escapamento ao trafegar como híbrido), pouco ruído (condução elétrica) e o controle geral do caminhão e do implemento (por exemplo, ligar as luzes do farol ao dirigir em um pátio da escola). Estas informações representam apenas uma pequena parte, dentre um universo potencial, do que estará disponível no futuro para diferentes aplicações.
Fonte: Acessória de imprensa