CNI critica decisão da ANTT sobre reajuste no valor da tabela do frete

CNI critica decisão da ANTT sobre reajuste no valor da tabela do frete

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) afirma que o reajuste no valor da tabela do frete rodoviário acentuará os danos da política de tabelamento para a economia e para os consumidores. De acordo com a Confederação, o preço mínimo do frete causou redução do crescimento econômico e o aumento de preços para a população, sobretudo na cesta básica.
A tabela com os novos valores foi publicada no Diário Oficial, pelo governo federal, nesta 4ª feira (5.set.2018). O impacto médio no preço mínimo dos fretes foi de 5%.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, o tabelamento é uma medida equivocada e simplista. “Não soluciona o problema do transporte rodoviário do país nem dos caminhoneiros, agrava os problemas da indústria e pune todos os consumidores brasileiros”, afirma.

Segundo a CNI, o ajuste teria sido baseado somente no anúncio do aumento de preços de diesel nas refinarias. Sendo assim, não teria dado tempo da alteração chegar nas bombas de combustível. Outra crítica da Confederação é pela decisão supostamente ter sido tomada pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) sem a participação dos embarcadores.

“A agência também não criou a comissão prevista para discutir a tabela de preços e não respondeu as dúvidas sobre sua aplicação. Isso inviabiliza a aplicação de qualquer eventual tabela. Esses e outros elementos reforçam a teses de que a tabela é inconstitucional, deixa claro o desprezo da  ANTT pelas boas práticas regulatórias e torna patente a ilegalidade de suas ações”, diz comunicado da CNI.

A CNI afirma que o setor produtivo espera uma célere decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), a quem caberá julgar três ações sobre o tema.
Fonte: Poder 360