Entidades do agronegócio apostam no STF para derrubar tabela de frete

Entidades do agronegócio apostam no STF para derrubar tabela de frete

Entidades do agronegócio apostam no STF para derrubar tabela de frete

Com a sanção da lei que impõe a tabela de fretes no Brasil, entidades do agronegócio apostam todas as suas fichas nas ações diretas de inconstitucionalidade que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). É a alternativa que resta para tentar derrubar a medida considerada incompatível com a economia de livre mercado.

– É intervenção na iniciativa privada. Quem mais vai perder com essa história é o caminhoneiro autônomo – diz Gedeão Pereira, presidente da Federação da Agricultura do RS (Farsul).

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) classifica a lei como “retrocesso a políticas públicas abandonadas pelo país nos anos 1990”. A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) acrescentou: “A competitividade nacional e internacional do país está em jogo neste momento”.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) é uma das entidades que entrou com ação no STF. A decisão não deve sair antes do fim do mês. Está marcada para o dia 27 audiência pública para tratar do tema.

Até lá, o setor seguirá sofrendo os impactos. As exportações caíram – a tabela impactou a liquidez – e os custos subiram.

Segundo a Abiove, os primeiros cálculos apontam que o tabelamento “acarreta alta de custos da ordem de R$ 73,9 bilhões” por ano, que “será paga por toda a sociedade brasileira”, com impacto de 0,92 ponto percentual na inflação do ano e redução de massa salarial real em R$ 20,7 bilhões.

– A comercialização futura de soja está praticamente parada. Estamos deixando de aproveitar a briga comercial entre Estados Unidos e China – lamenta Vicente Barbiero, presidente da Associação das Empresas Cerealistas do Estado.
Fonte: Beef Point