Inovação é peça-chave da IVECO no segmento de transporte

Inovação é peça-chave da IVECO no segmento de transporte

Inovação é peça-chave da IVECO no segmento de transporte

Centro de Desenvolvimento de Produto, que completa 10 anos, é a base para o aprimoramento do portfólio da marca com qualidade e planejamento

Em 20 anos de operação no Brasil, a IVECO, marca da CNH Industrial, apresentou ao mercado produtos que têm em seu DNA conceitos inovadores como destaque. Um bom exemplo disso é a recém-lançada Daily City 30S13, chassi cabine e furgão, que foi projetada para atender ao transporte de cargas fracionadas.

“O modelo, assim como o desenvolvimento de outros caminhões, foi idealizado no Centro de Desenvolvimento de Produto (CDP), que completa uma década de existência neste ano. A área é fundamental no plano estratégico da marca para desenvolver e criar veículos pensando nas necessidades e nos diferencias de cada mercado em que a montadora atua”, afirma Darwin Viegas, diretor de Engenharia de Desenvolvimento de Produto da IVECO.
A estrutura, que abriga mais de 150 profissionais, entre  engenheiros, projetistas e técnicos, foi o primeiro centro desse tipo construído fora da Europa, e é responsável pelas inovações no portfólio comercializado na América Latina. Junto ao Campo de Provas, inaugurado em 2015 no Complexo Industrial da IVECO em Sete Lagoas (MG), o CDP, com 5.045 m2, é responsável pelo desenvolvimento de engenharia avançada, trem de força, chassis e testes com protótipos e de combustíveis alternativos.

“A idade média da frota de caminhões no país é de 10 anos. Isso faz com que os principais componentes do veículo sejam projetados para ‘sobreviver’ sem maiores danos durante esse período, mesmo fora da garantia”, afirma o executivo.

Seja nas pesquisas para diminuir as emissões de poluentes, ou para o desenvolvimento de veículos mais econômicos e funcionais, o time de engenharia da montadora já assinou projetos como o protótipo Trakker Bi-fuel Etanol-Diesel, a linha Hi-Way e o Tector Auto-Shift. “A parceria com a  Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), com universidades, entre outras entidades de ensino e pesquisa, fortalece nosso trabalho de, cada vez mais, aprimorar o que está bom e investir em novos lançamentos.”

Para continuar entre os maiores players do mercado, a IVECO está investindo US$ 120 milhões no desenvolvimento de produtos para o setor de transportes de cargas no país. Atualmente, o segmento tem um total de nove milhões de veículos comerciais, entre leves, médios e pesados, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). “O tamanho desse mercado e, por conseguinte, a forte concorrência refletem a necessidade de o transportador e o caminhoneiro terem produtos que proporcionem baixo custo operacional e alta tecnologia embarcada”, finaliza Viegas.

Mais inovadora do Brasil 

Os projetos e os produtos da IVECO contribuíram diretamente para a CNH Industrial ser eleita, recentemente, como uma das empresas mais inovadoras do Brasil. A empresa foi condecorada na categoria Setor Automotivo e Veículos de Grande Porte. O reconhecimento foi concedido pela pesquisa Valor Inovação 2018, do jornal Valor Econômico, em parceria com a consultoria Strategy&. Além da liderança no seu segmento, o estudo classificou a companhia entre as 13 melhores de um ranking que analisou 216 empresas de 21 setores. 

IVECO

IVECO, uma companhia da CNH Industrial, projeta, fabrica e comercializa uma completa gama de veículos comerciais leves, médios e pesados, caminhões fora-de-estrada, ônibus urbanos e intermunicipais, bem como veículos especiais para aplicações como combate a incêndios, missões off-road, defesa e proteção civil. A IVECO emprega mais de 26 mil pessoas em todo o mundo. A empresa gerencia centros de produção em 11 países distribuídos pela Europa, Ásia, África, Oceania e América Latina, onde fabrica veículos com as mais avançadas tecnologias. Um total de 5 mil pontos de vendas e postos de serviços em mais de 160 países garantem o suporte técnico onde quer que um veículo IVECO esteja em operação.
Fonte: Diário do Transporte