As tecnologias de segurança que saíram dos carros e chegaram aos caminhões

As tecnologias de segurança que saíram dos carros e chegaram aos caminhões


As tecnologias de segurança que saíram dos carros e chegaram aos caminhões

Assim como nas pistas, os carros andam mais rápido na busca por cada vez mais tecnologia embarcada. Os caminhões, mais pesados e potentes, chegam um pouco atrás, mas também estão cada vez mais recheados de novidades por baixo o capô e dentro das cabines…


As principais tecnologias de segurança já migraram para os caminhões mais modernos. Esta caixa instalada bem na frente deste modelo traz um preciso sistema de radar de proximidade. Se o caminhão ficar a menos de 15 metros de qualquer objeto - seja um outro veículo ou até uma pessoa - e o caminhoneiro não estiver colocando pressão sobre o pedal de freio, o veículo, de forma autônoma começa atuar e, dependendo da velocidade, pode até parar sem qualquer intervenção humana.

Os freios também possuem tecnologia ABS, que evita o travamento das rodas em uma frenagem mais brusca, e também o sistema “Retarder”, um freio hidráulico ativo que permite uma frenagem mais rápida e segura. Ao ser acionado, o sistema controla um fluxo de óleo constante entre os rotores. Com a resistência do fluido, as rotações vão sendo reduzidas e o veículo começa a parar. Combinado com os freios tradicionais, aí sim dá para parar com segurança um brinquedinho deste tamanho…

Para completar o pacote segurança, o caminhão tem ainda sensor de chuva e faróis automáticos que acendem quando a luminosidade é baixa. O banco é todo ajustado eletronicamente também. E, por mais simples que pareça este computador de bordo, ele é inteiramente controlado por botões no próprio volante e trabalha toda a telemetria do veículo em tempo real.

Recentemente, em Curitiba, uma montadora sueca apresentou o primeiro caminhão com tecnologia autônoma do país. Para operar o veículo, basta inserir um mapa digital no computador de bordo que a solução reconhece precisamente as linhas de plantação e o veículo se move sem que qualquer pessoa precise fazer nada. Para chegar neste estágio de precisão, o sistema do caminhão autônomo é composto por duas antenas de GPS, um exclusivo sistema de esterçamento da marca sueca, dois giroscópios de alta sensibilidade e um display posicionado no interior da cabine do caminhão, que funciona como interface homem-máquina. Por último, uma nova tecnologia de geolocalização se responsabiliza pelos cálculos em tempo real para identificar a inclinação do terreno e o deslocamento do veículo.

E quando o caminhão ainda não tem tanta tecnologia, uma novidade desenvolvida no Brasil, pode fazer com que o caminhoneiro leve mais conectividade e segurança para dentro da cabine - e isso não tem nada a ver com o smartphone do piloto. Se assim, de longe, só parece mais um boné, de perto, olha só: um pequeno circuito inteligente com sensores de movimento, emite alertas quando identifica que o caminhoneiro mostra sinais de cansaço ou sonolência. Isso mesmo, o boné interpreta os movimentos de cabeça do motorista e avisa quando for hora de fazer parada de descanso.

Dos pequenos para os grandões, a máxima é a mesma. Hoje, essas principais tecnologias ainda só estão disponíveis nos modelos top de linha das marcas, mas apontam a direção do futuro dos caminhões; mais conectados, mais cheios de sensores e, consequentemente, seguros. O trânsito, as estradas…e os caminhoneiros, agradecem!