Por que os caminhoneiros ainda não estão satisfeitos?


Por que os caminhoneiros ainda não estão satisfeitos? 

Após o anúncio do presidente, a Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) chegou a afirmar que a situação estava resolvida e que os manifestantes poderiam voltar para casa. Mas não foi isso que aconteceu. Na Régis Bittencourt, inclusive, mais pessoas se juntaram aos protestos. 

A redução de R$ 0,46 no preço do diesel ainda gera muita insatisfação entre os caminhoneiros que estão nos protestos. Eles também pedem 90 dias de congelamento no valor do diesel.  


Outras reivindicações iniciais atendidas pelo governo foram a suspensão do pagamento de pedágio dos eixos suspensos (quando o caminhão está vazio) e o preço mínimo para o frete. 

A reportagem da Folha conversou com caminhoneiros em protestos de diferentes regiões do país. Em Porto Alegre,  Alexandre Bastos de Araujo, 46,  disse  que a proposta oferecida por Temer "é uma conta injusta, quem vai pagar é a sociedade e ele vai colocar a sociedade contra nós”, diz. Para o motorista, as medidas colocarão a sociedade contra os manifestantes.

Em São Paulo, na Anhanguera, João Paulo "Coco Seco" disse que "a greve não vai parar, só vai aumentar. R$ 0,46 não resolve nada". Proprietário de seis caminhões, Fábio Correia, 31, disse que precisa diminuir pelo menos R$ 1 do valor do óleo.  

Nos protestos, muitos manifestantes pedem intervenção militar e o fim do governo Temer. 

Quem lidera o movimento?

Não há uma linha direta entre os caminhoneiros autônomos e seus "representantes". O governo Temer tem feito negociações ciente de que as entidades não representam a totalidade da categoria, o que aumenta a imprevisibilidade dos protestos. 

O primeiro acordo, feito na quinta-feira (24), foi assinado pela Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Confederação Nacional do Transporte (CNT), Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens) e outros sindicatos. 

A Abcam, que abandonou a primeira reunião, disse que o "o assunto está resolvido" após o anúncio do presidente no domingo. O presidente da entidade, José da Fonseca Lopes, afirmou nesta segunda-feira (28) que o protesto "não é mais de caminhoneiro, mas de quem quer derrubar o governo". Leia aqui entrevista que Fonseca deu para a Folha.

Quem são os caminhoneiros bloqueando as estradas?

Quem protesta e faz bloqueios são caminhoneiros autônomos, que representam cerca de 40% da categoria. As transportadoras (donas dos veículos fretados, em oposição aos autônomos) não aderiram oficialmente ao movimento, mas deixaram de fazer entregas, alegando preocupações com segurança.

Há empresas apoiando o movimento?

Muitos caminhoneiros se organizam de forma autônoma, via grupos de WhatsApp, mas o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a área de inteligência do governo identificou indícios de participação do setor empresarial, que, se comprovada, vai exigir ação da Polícia Federal.

Por que o envolvimento de empresas seria problemático?
Enquanto o direito de greve é legítimo, garantido por lei, o locaute(pressão exercida por empresários para negociar com trabalhadores ou com o governo) é ilícito e pode ser considerado crime. 

Esse é o ponto que será explorado pelo governo. O presidente Temer tem pressionado a Polícia Federal para acelerar as investigações e prender suspeitos de dar suporte ilegal ao movimento.