Greve dos caminhoneiros afeta produção em montadoras de Curitiba e Região


A greve dos caminhoneiros já causa impactos nas fábricas de carros e caminhões da Grande Curitiba. Três montadoras estariam com a produção parada, em função da falta de peças. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos, as empresas afetadas são: Renault, Volkswagen e Volvo.

Em nota, a Renault, informou que a produção na fábrica em São José dos Pinhas, Região Metropolitana de Curitiba, está parada desde ontem pela manhã. A produção diária é de cerca de 1.300 carros.


A fábrica de motores da empresa parou hoje, afetando a produção de 1.400 motores por dia.

Ao todo 7.300 colaboradores atuam na Renault.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos, a Volkswagen mantem apenas o setor de estamparia em funcionamento. O restante da montadora está com a produção parada.

Em nota, a Volkswagen disse que está avaliando os impactos e fazendo ajustes em seu programa de produção.

Conforme o Sindicato dos Metalúrgicos, na Volvo o trabalho de produção também estaria totalmente paralisado.

A empresa, por meio de nota, disse que o movimento dos caminhoneiros continua impactando, desde terça-feira, a produção de caminhões e ônibus na fábrica do Grupo Volvo em Curitiba.

A interrupção acontece porque a montadora, assim como outras indústrias, trabalha em regime Just In Time, ou seja, o estoque de peças é muito pequeno e a produção depende da regular e contínua entrega de componentes da linha de montagem.

No complexo industrial de Curitiba, que também é a sede latino-americana da montadora, são produzidos caminhões pesados e semipesados e chassis de ônibus.
Fonte: CBN