Caminhoneiros protestam em Brasília contra aumento no preço de combustível


Caminhoneiros do Distrito Federal realizam um protesto contra a alta do combustível, na manhã desta quinta-feira (10/5). Eles pedem a redução no preço do combustível e a revogação de uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que obriga mudanças nas caçambas.
O protesto começou por volta 6h, com os manifestantes saindo em carreata do Colorado. Segundo a Polícia Militar são cerca de 40 caminhões no ato. Eles seguem até o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha para a realização de uma assembleia. No trecho entre o Colorado e o estádio, eles ocupam uma faixa da via. 




O trânsito está engarrafado na saída Norte até o começo do Eixo Rodoviário. Uma equipe do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar do DF acompanha o trajeto dos caminhoneiros. Há chances de intervenções no trânsito na passagem da carreata. A resolução do Contran determina que um equipamento para levantar as caçambas sejam instalados. De acordo com caminhoneiros, o Preços insustentáveis
Em relação ao preço do combustível, a principal reivindicação é que seja reduzido o preço do óleo diesel. Walisson André Martins da Silva, de 35 anos, trabalha como caminhoneiro desde a juventude e reclama do aumento de taxas e do valor do combustível. "O preço do óleo diesel e da gasolina estão insustentáveis. O diesel está chegando a R$ 3,50 por litro e a gasolina passa de R$ 4,50. Nós resolvemos protestar. Vamos chamar atenção do Brasil e a população deveria se unir a todos nós", afirma.

Após a assembleia, os caminhoneiros devem seguir a pé até o Congresso Nacional. Eles reivindicam ainda o fim de uma taxa cobrada pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU) com relação ao lixo que é transportado.equipamento custa cerca de R$ 4.500.
Protesto em Minas Gerais
Na manhã de terça-feira (8/5), caminhoneiros de Minas Gerais também fizeram um protesto, na BR-040, em Congonhas, na Região Central de Minas Gerais. A pista chegou a ser totalmente fechada no quilômetro 602, em Congonhas, mas foi liberada pouco depois das 10h, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal. O congestionamento chegou a 6km no sentido Rio de Janeiro e 3km em direção a Belo Horizonte.

Segundo a Via 040, concessionária responsável pelo trecho, os caminhoneiros pararam no km 602, perto do Bairro Pires. Somente a passagem de ônibus e veículos leves era permitida pelos manifestantes. O Sindicato dos Caminhoneiros de Minas Gerais negou participação no protesto e não soube dizer de quem foi a iniciativa de fechar a pista.