Caminhoneiros cobram do governo diesel mais barato e ameaçam greve nacional


Milhares de caminhoneiros autônomos do país podem cruzar os braços a partir da próxima segunda-feira, em uma manifestação que cobra do governo reduzir a zero a carga tributária sobre o diesel e que pode contar com apoio de outras categorias que têm no combustível o principal custo.

Petrobras sobe preço do diesel pelo 5º dia seguido
"Se hoje não tiver uma resposta (do governo sobre as reivindicações) até as 18h, a gente já vai começar a se preparar para parar a partir da segunda-feira", disse o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes. "Tem hora e dia para começar, mas não para acabar", acrescentou.

Questionado nesta sexta-feira, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, afirmou que o governo está sensibilizado com a alta dos preços e que já está discutindo formas para uma redução de impostos.

Uma paralisação no transporte poderia afetar, entre outros setores, a indústria de soja, cuja colheita no Brasil terminou recentemente. Isso em um momento em que o mercado internacional conta com o produto do país, o maior exportador global.

O movimento promete ser mais forte justamente no Centro-Oeste e no Sul, as principais regiões brasileiras produtoras de grãos.

A entidade que organiza o protesto reúne cerca de 600 mil caminhoneiros autônomos de um total de cerca de 1 milhão de motoristas no Brasil e cobra o governo desde outubro do ano passado a queda nos custos do diesel.

Mais cedo, a Petrobras anunciou que vai subir os preços do diesel em 0,80% e os da gasolina em 1,34% nas refinarias a partir do sábado, elevando os valores dos combustíveis a novas máximas de R$ 2,3488 o litro de diesel e R$ 2,0680 o litro de gasolina.
Desde que a Petrobras implantou em julho do ano passado sistema de reajustes de preços dos combustíveis quase que diários, que busca acompanhar as cotações internacionais do petróleo e o câmbio, o diesel e a gasolina tiveram aumento de quase 50% nas refinarias da empresa, com uma boa parcela sendo repassada para os postos.

O setor de combustíveis, entretanto, afirma que boa parte do custo dos combustíveis na bomba se deve a impostos. No caso da gasolina, os tributos respondem por cerca de 50% do valor nos postos.

A ameaça dos caminhoneiros está sendo feita em momento em que a federação de nacional de comércio de combustíveis (Fecombustíveis), que representa os donos de postos, também faz um apelo por mudanças tributárias, afirmando que a política de preços da Petrobras está causando prejuízos ao setor.


Segundo a comunicado da entidade nesta semana, uma alteração nos tributos amenizaria as perdas.

Apesar de serem autônomos, grande parte dos caminhoneiros é vinculada a sindicatos, que desde o início desta semana têm comunicado os motoristas via telefone e WhatsApp sobre uma provável paralisação a partir da segunda-feira.

Segundo Lopes, a entidade não está defendendo bloqueio de estradas ou manifestações violentas. Está pedindo aos motoristas para não saírem para trabalhar ou não pegarem novas cargas após entregarem os fretes já contratados.

Além dos caminhoneiros autônomos, o protesto de segunda-feira está recebendo apoio de outras categorias, como transportadores escolares e taxistas de São Paulo, informou a entidade.
2015
A última vez que os caminhoneiros promoveram protestos em âmbito nacional foi no início de 2015, quando os motoristas exigiram redução de custos com combustível, pedágios e tabelamento de fretes.

Os protestos duraram vários dias e paralisaram dezenas de rodovias em um movimento que afetou as exportações do país. Os caminhoneiros somente suspenderam o movimento quando o governo da então presidente Dilma Rousseff aprovou a chamada Lei do Caminhoneiro, que reduziu custos em rodovias com pedágios.

"Eu espero que não aconteça como em 2015... Bloqueio de rodovia e quebra-quebra não consegue nada. Desde 2015 não aconteceu nada (sobre redução de custo de combustível)... mas agora, da forma como estamos fazendo, vamos ter sucesso muito bom", disse Lopes.

"Pode não parar tudo, mas 60% a 70% dos caminhoneiros vão parar", estimou o presidente da Abcam.

Segundo ele, o diesel representa cerca de 42% dos custos dos caminhoneiros autônomos. "O que Petrobras precisa fazer é ganhar menos e o governo precisa parar de usar a gente como bode expiatório."

A expectativa é que a adesão ao movimento seja maior no Centro-Oeste e Sul, regiões que estão em plena época de transporte da safra de grãos. "Estamos pedindo para o pessoal ficar pelo menos 72 horas sem carregar (os caminhões)", disse o presidente da Abcam.

Em uma tentativa de evitar protestos, concessionárias de rodovias já estão tomando medidas.

A CCR NovaDutra afirmou nesta sexta-feira que conseguiu liminar favorável à petição de Interdito Proibitório contra essas manifestações.

A decisão é válida para toda a extensão da rodovia Presidente Dutra, em seus 402 quilômetros, nos trechos do Rio de Janeiro e de São Paulo, e proíbe os protestos sob pena de multa de R$ 300 mil, disse a concessionária em nota.
Fonte: G1