SCANIA INVESTE NO GÁS COM MOTOR DE 13 LITROS


A Scania acaba de apresentar um inovador motor a gás Euro 6. Com uma potência de 410 CV, o OC13 pode ser utilizado tanto no transporte de longo curso como em atividades relacionadas com a construção, graças ao seu desempenho, comparável com o de um motor a diesel. O motor a gás Euro 6 recentemente desenvolvido baseia-se no motor Scania de 13 litros e é a mais recente novidade da oferta Scania para soluções de transporte sustentáveis, assegurando reduções de CO2 da ordem dos 15 a 90%.
“Temos grandes esperanças nos camiões com este motor de 13 litros, que é único,” afirma Henrik Eng, Director Urban, Scania Trucks. “Há um interesse considerável de potenciais clientes em toda a Europa virem a poder operar com veículos, designadamente veículos de logo curso, movidos a gás, e este motor vai ao encontro dessas necessidades, sob todos os aspetos. Há uma procura por parte dos clientes de uma solução que assegure todas as vantagens do gás, como uma melhor economia total de funcionamento e nenhuma das desvantagens,“ acrescenta.
O novo motor de 410 CV proporciona 2000 Nm das 1100 às 1400 rpm – números perfeitamente comparáveis aos dos motores a diesel de tamanho idêntico. Com gás natural liquefeito (GNL), uma combinação típica de semi-reboque até 40 toneladas pode viajar até 1000 km sem necessidade de reabastecer. Em vehiculos rigidos com dois depósitos, a autonomia poderá ir até aos 1600 km.
“Este motor a gás está em condições de proporcionar não só níveis reduzidos de CO2 como também uma maior rentabilidade aos seus clientes.”, refere Zoran Stojanovic, Product Manager Gas, Scania Trucks.
Tecnologia subjacente
Os motores a gás Scania baseiam-se na combustão estequiométrica – i.e., combustão completa do combustível e do oxigénio. A combustão começa com o uso de velas de ignição, como nos motores a gasolina, e a pré-mistura do combustível decorre antes da entrada nos cilindros.
“Um objetivo importante para nós no trabalho de desenvolvimento tem sido assegurara melhor manobrabilidade possível, de modo a fazer corresponder o seu desempenho e características àquilo que se espera de um motor diesel moderno,” explica Folke Fritzson, Engenheiro Sénior do setor de Investigação e Desenvolvimento da Scania e que tem estado envolvido no desenvolvimento dos motores a gás Scania.
O novo motor de 13 litros a gás funciona sempre em combinação com o Scania Opticruise, a caixa de velocidades automática da Scania. Isto significa, é claro, que o condutor dispõe de mudanças de velocidades e de conforto numa condução de primeira classe, com seleções de velocidades sem hesitações.
Depósitos bem pensados
O tipo de soluções de depósitos disponíveis é sempre um aspeto importante nos motores a gás. Tanto os depósitos de GNL (gás natural liquefeito) como os de GNC (gás natural comprimido) podem ser encomendados diretamente à Scania. O GNL proporciona sempre uma maior amplitude, devido ao facto de poder ser obtida uma quantidade significativamente mais elevada de combustível.
“Uma vez no motor, não importa como o gás é armazenado, mas existem diferenças significativas na escala de autonomia que é obtida com cada solução,” afirma Fritzson.
“Com GNL obtém-se uma autonomia de 1100 km para um típico trator com semireboque em estrada plana. Mas a solução de GNC, que normalmente proporciona autonomias de 500 km, também é mais do que suficiente para muitos clientes, como aqueles cujo trabalho implica uma atividade regional, com regresso diário à base e ao ponto de reabastecimento. Porém, o número de quilómetros que pode ser percorrido com um depósito cheio depende também do tipo de operações envolvidas e do maior ou menor relevo do percurso.”
Um aspeto particular da segurança é o facto de os engenheiros da Scania terem invertido a posição das válvulas do depósito de combustível, afastando-as da direção da viagem. Trata-se de um pormenor aparentemente simples, mas bem pensado, que reduz o risco de as válvulas sofrerem danos devido a eventuais impactos do exterior.
Maiores intervalos de manutenção


Os motores a gás que funcionam segundo o princípio de Otto (com a pré-mistura do combustível e velas de ignição) têm intervalos de manutenção menores do que os motores a diesel. No entanto, os Engenheiros da Scania implementaram uma série de medidas que ajudam a manter intervalos de manutenção mais prolongados. Hoje é a vida útil das válvulas de ignição que normalmente estabelece os limites. “Fixámos um intervalo de 45 000 km tanto para a substituição das velas como para as mudanças de óleo, em condições normais de utilização,” afirma Fritzson. “Trata-se de uma clara melhoria em relação às anteriores gerações de motores a gás, cujo intervalo normal de manutenção era de 30 000 km. Desta forma, reduziram-se os custos de manutenção e aumentou-se o tempo de atividade.
“Tudo indica que, numa série de mercados, estamos a dar um passo importante com os motores a gás, incluindo nos camiões mais pesados, de longo curso, e nos veículos destinados ao sector da construção,” declara Eng. “Já ninguém precisa de abdicar de características como uma boa manobrabilidade ou o conforto do condutor. Ao mesmo tempo, vemos que uma infraestrutura em rápido crescimento caminha de mãos dadas com um interesse crescente entre os potenciais clientes que começam a utilizar todo o gás disponível numa série de mercados na Europa.”
Como os motores a gás são geralmente mais silenciosos que os motores diesel, também funcionam bem em ambientes urbanos sensíveis. O novo motor a gás Euro 6 da Scania também cumpre os requisitos do padrão de limitação de ruído PIEK, que estipula um nível de ruído não superior a 72 dB (A) em zonas com alto risco de perturbação.
Fonte: POS VENDA
brasildotrecho:

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa cookies.

ler