Categorias Uncategorized

Primeiro caminhão elétrico do país será recarregado na tomada

Publicidade

                       Caminhão 100% elétrico vai rodar em São Paulo em 2018 entregando mercadorias da Ambev (Malagrine/Divulgação)

Menos barulhento do que um pequeno secador de cabelo, o primeiro caminhão 100% elétrico do Brasil poderá ser recarregado em uma tomada, como um celular. O e-delivery, da Volkswagen, foi apresentado em Porto Alegre nesta segunda durante o 35º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, e vai circular a partir de 2018.

Silencioso e sem emitir poluentes, o e-delivery vai gerar energia para suas funções até mesmo a partir do uso do freio. Isso porque o veículo foi desenvolvido para rodar em meio urbano, especialmente para entrega de cargas. O popular “freia e arranca” dos caminhões de carga e descarga vai ajudar o carro a se movimentar nas ruas.
A bateria do modelo consegue aguentar um dia inteiro nesse tipo de função, com autonomia de 200 km. “Um caminhão com uso urbano percorre de 60 a 100 km por dia, aproximadamente”, disse a VEJA Mithermayer Menabó Júnior, gerente da área de Elétrica da MAN, fabricante da Volkswagen.



A ideia é que o caminhão seja usado durante o dia para entregas e recarregue a bateria à noite. Em cerca de quatro horas a bateria está carregada. O caminhão não foi planejado para transporte de cargas em estradas, mas para ser usado na cidade.
A primeira empresa a adotar o caminhão elétrico da Volkswagen é a Ambev, que vai usar dois veículos e-delivery nas ruas de São Paulo para distribuir cervejas e refrigerantes da marca em mercados, padarias e restaurantes de São Paulo. Segundo o engenheiro alemão Andreas Renschler, presidente e CEO mundial do Grupo Volkswagen Truck & Bus, o caminhão deverá ser comercializado em grande escala a partir de 2020 com capacidade para transportar cargas em modelo de nove ou onze toneladas.
“São Paulo é a cidade típica em que o trânsito para e anda. Vamos aprender com o uso e adaptar para a produção em série do e-delivery”, disse Roberto Cortes, presidente e CEO da MAN Latin America.. De acordo com Cortes, a expectativa é que a bateria tenha durabilidade de cinco a oito anos. Por enquanto, as baterias do tipo íon-lítio LiFePO4 foram fabricadas na China, mas Renschler garante que a Volkswagen está em busca de parceiros da área de energia, no Brasil, para fabricá-las. Todas as outras peças e partes do caminhão são brasileiras.

Por ser elétrico, o e-delivery tem 30% menos peças que um caminhão normal, segundo Leandro Siqueira, diretor de Desenvolvimento de Produto da MAN, e pode passar por manutenção em uma oficina mecânica “normal”. Apenas a bateria exige cuidado especializado.
Fonte: VEJA
Publicidade
Categorias manNOTICIAS
admin_brasildotrecho

Deixe um comentário

Postagens recentes

Radialista se pronuncia após chamar caminhoneiros de burros

Após ganhar grande repercussão ao chamar os caminhoneiros de burro o radialista Appa resolveu se pronunciar sobre o ocorrido.  O…

14 horas atrás

Caminhoneiro faz alerta aos ciclistas para não pedalar ocupando a terceira faixa

O caminhoneiro grava um vídeo para conscientizar os ciclistas que gostam de trafegar nas rodovias, onde há bastante fluxo de…

14 horas atrás

Governo pretende multas severas durante paralisação dos caminhoneiros

Governo vem monitorando detalhadamente a decisão dos caminhoneiros O governo tem sondando a grande possibilidade de uma paralisação da categoria…

1 dia atrás

Esse website utiliza cookies.

Consulte Mais informação